Legiões de desmamados

Legiões de desmamados

Jorge Pontes*

29 de junho de 2019 | 17h00

Jorge Barbosa Pontes. Foto: Acervo Pessoal

Acompanhar nos noticiários as idas e vindas da Lava Jato, esse jogo de perde e ganha que setores sombrios do Congresso Nacional e um grupo de ministros do STF insistem em promover, para retrocederem com os resultados da operação, é de fato muito cansativo e sofrido para a população brasileira.

Tudo ocorre porque o lado do Mal não dá trégua. Eles têm de fato muito a perder, o que inclui poder, faturamento de milhões de Reais e até a própria liberdade, em muito dos casos. É de fato uma batalha difícil por conta do encastelamento dessa resistência da criminalidade empoderada.

E o país sofre com esse racha, esse verdadeiro Fla x Flu. Hoje já está claro que a corrupção não tem partido e que nesse momento o Brasil inteiro deveria estar a favor da Lava Jato, que já alcançou políticos corruptos de todas as matizes ideológicas.

E olhem que nunca foi tão fácil para o cidadão comum, de bem, escolher o lado certo. Pois em um flanco está o maior esquema de corrupção política e empresarial da História e no outro a maior e mais bem-sucedida operação policial já realizada.

Quem insiste em escolher errado é porque tem desvio de caráter. Não há argumentos nem cegueira que possam justificar uma pessoa de bem ficar contra uma operação que prende centenas de criminosos fraudadores e recupera bilhões de Reais desviados do erário.

Os nossos conhecidos que são contra a Lava Jato devem ter certamente motivos inconfessáveis para agir assim.

Havia muita teta, muita bocada e muita mamata. Em vários níveis. Desde o dono da JBS e de outros “campeões nacionais”, até ongueiros, passando por professores universitários e por artistas e empresários do show business.

Era, sem dúvida, uma legião de bezerros que agora estão desmamados. Por isso o tamanho do rombo e do prejuízo, e por isso as dimensões da oposição e da choradeira. Esses governos corruptos em sequência fizeram um mal muito maior do que podemos imaginar. Corromperam enormes parcelas e inúmeros setores da população.

A clivagem que a sociedade brasileira experimenta hoje em dia é a pior de todas essas heranças, pois com o país dividido as soluções para a crise se arrastarão por conta da falta de unicidade dos nossos desejos.

*Jorge Pontes é delegado de Polícia Federal e foi diretor da Interpol

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.