Lava Jato também diz não a Lula no velório do irmão Vavá

Força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba se manifestou contra pedido do ex-presidente após PF encaminhar à Vara de Execuções Penais ofício com decisão administrativa em que indeferiu pleito do petista

Luiz Vassallo

29 de janeiro de 2019 | 22h33

Após a Polícia Federal encaminhar à Vara de Execuções Penais de Curitiba ofício com decisão administrativa em que indeferiu a ida do ex-presidente Lula ao velório do irmão, Genival Inácio da Silva, morto nesta terça-feira, 29, a força-tarefa do Ministério Público Federal do Paraná também se manifestou contra o pedido do petista.

Documento

Segundo a manifestação da Procuradoria, ‘afora o obstáculo técnico, há um evidente conflito entre a pretensão deduzida’ por Lula ‘e a garantia da incolumidade física’ do ex-presidente, ‘de servidores públicos encarregados da escolta e do próprio público em geral, como assentado na decisão da Autoridade Policial que indeferiu o pedido administrativo’.

“Conforme a mencionada decisão, a permissão de saída pretendida esbarra em insuperável obstáculo técnico: a impossibilidade de, ao tempo e modo, conduzir o custodiado mediante escolta e com as salvaguardas devidas, aos atos fúnebres de seu irmão”, anotou a força-tarefa.

“É necessário que se rememore que o custodiado não é um preso comum e que a logística para realizar a sua escolta depende de um tempo prévio de preparação e planejamento, não podendo ser realizada de inopino”, anotou.

“A situação que agora se antevê não irá diferir do que já se viu em ocasiões anteriores – tumulto generalizado e protestos. Nas oportunidades citadas, protestos se formaram contra e a favor do custodiado, gerando indesejáveis confrontos e a polarização de atos e idéias”, anotou.

Tudo o que sabemos sobre:

LULA [LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: