Lava Jato intima Lula a depor sobre delação de Palocci

Lava Jato intima Lula a depor sobre delação de Palocci

Ex-presidente será ouvido no dia 22 de março pela Polícia Federal em investigação que também mira repasses da empreiteira Odebrecht

Ricardo Brandt, Luiz Vassallo, Julia Affonso e Fausto Macedo

27 de fevereiro de 2019 | 15h11

Reprodução de intimação

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi intimado a depor no dia 22 de março em inquérito da Polícia Federal embasado nas delações premiadas do ex-ministro Antonio Palocci Filho e da empreiteira Odebrecht. Em delação, o homem forte de governos petistas afirmou ter feito entregas de dinheiro vivo ao ex-presidente.

Documento

O delegado da Lava Jato em Curitiba Felipe Pace ainda quer informações que corroborem com o acordo da construtora e documentos do doleiro Álvaro José Novis sobre supostas entregas a codinomes inseridos na planilha Italiano – uma espécie de conta corrente de supostas propinas delatada pela Odebrecht em benefício do ex-presidente.

Palocci e Lula. FOTO DIGITAL: CELSO JUNIOR/AE

A Polícia Federal quer mais detalhes sobre repasses que constam na planilha da Odebrecht. Entre as senhas que os emissários teriam de utilizar para retirar os valores, que variam de R$ 500 mil a R$ 1,5 milhões, estão ‘espaguete’, ‘pasta’, ‘massa’, ‘pene’ e bambino’. Para tanto, os investigadores querem ouvir o doleiro Álvaro José de Novis, que era contratado pela empreiteira para efetuar as entregas de dinheiro.

“É imprescindível que as respostas sejam apresentadas com riqueza de detalhes a permitir, na medida do possível, a identificação do recebedor dos recursos, o efetivo endereço das entregas, o valor, as senhas e responsável (com dados qualificativos) pelas entregas dos valores”, diz o delegado.

Até 8 de março, a PF quer que Marcelo Odebrecht e Benedicto Júnior, da Odebrecht, entreguem detalhes de e-mails que envolvam os repasses.

Delação

Em depoimento prestado ano passado, Palocci afirmou ter repassado ’em oportunidades diversas’ R$ 30 mil, R$ 40 mil, R$ 50 mil e R$ 80 mil em espécie para o próprio Lula’. Palocci detalhou duas entregas de dinheiro a Lula, uma no Terminal da Aeronáutica, em Brasília, no valor de R$ 50 mil, ‘escondidos dentro de uma caixa de celular’.

A outra entrega teria ocorrido em Congonhas. Ele contou que se recorda de que a caminho do aeroporto ‘recebeu constantes chamadas telefônicas de Lula cobrando a entrega’.

Segundo Palocci, os repasses a Lula teriam ocorrido em 2010.  Palocci também narrou à PF que Lula tinha uma conta corrente de propinas com a Odebrecht de R$ 300 milhões. O ex-ministro afirmou que Lula tinha um ‘pacto de sangue’ com o patriarca Emílio Odebrecht.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO CRISTIANO ZANIN MARTINS, QUE DEFENDE LULA

“É mentirosa a afirmação de que o ex-Presidente Lula recebeu qualquer valor de Antônio Palocci. A narrativa foi acordada com policiais federais para incriminar Lula em troca de generosos benefícios concedidos a Palocci. Até o Ministério Público Federal de Curitiba, sempre ávido para acusar Lula, negou credibilidade à versão de Palocci, por não haver qualquer prova de suas afirmações”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: