Lava Jato inspira ‘PF – A Lei é para todos’

Lava Jato inspira ‘PF – A Lei é para todos’

Superprodução de R$ 12 milhões, baseada em fatos reais da investigação que fez ruir esquema de corrupção na Petrobrás, conta com consultoria da Polícia Federal, chega às salas de cinema em dezembro e terá ainda série de TV e três livros

Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

25 de abril de 2016 | 13h08

policia-federal_em_greve

Polícia Federal. Foto: Divulgação

A cinematográfica Operação Lava Jato vai chegar às telas de cinema ainda este ano. O filme “Polícia Federal – A lei é para todos”, uma superprodução de R$12 milhões da produtora carioca New Group & Raconto e associados, será um thriller policial político fortemente inspirado em fatos reais.

Os produtores começaram a trabalhar no projeto há oito meses e as filmagens ocorrerão em agosto e setembro, em Brasília, Curitiba, Rio, São Paulo e São Luiz. Com isso, já é a segunda produção audiovisual inspirada na megaoperação da Polícia Federal. Na semana passada, o Netflix anunciou que vai produzir uma série baseada na Lava Jato dirigida pelo diretor brasileiro José Padilha e que deve ser lançada em 2017.

O experiente produtor Tomislav Blazic assinou em 2015 um acordo de cooperação com a Polícia Federal, que presta consultoria aos produtores e vai apoiar integralmente as filmagens, mas sem interferir no conteúdo.

O filme será dirigido por Marcelo Antunez, diretor de sucessos de bilheteria.

“Polícia Federal – A lei é para todos” será lançado pela Downtown e Paris, as duas distribuidoras responsáveis por grandes sucessos de bilheteria do cinema nacional nos últimos anos. A previsão de lançamento é dezembro de 2016.

O filme integra um projeto ambicioso, que inclui a produção de dois outros longas, uma série para exibição na televisão brasileira com 13 episódios e três livros ficcionais da escritora Ana Maria Santos com a história detalhada dos três filmes.

“O filme será o primeiro sobre a Lava-Jato, mas esse não é o nosso único diferencial”, afirma Tomi Blazic. “Somos os únicos a ter um acordo de cooperação com a Polícia Federal, o que nos permitiu ter acesso aos delegados e agentes responsáveis pela operação. Nossos produtores, o diretor e os roteiristas passaram os últimos oito meses imersos nessa pesquisa nas dependências da PF em Curitiba e Brasília, o que nos deu subsídios para a produção de um roteiro ficcional riquíssimo.”

Tomi ressalta ainda que o acordo prevê o apoio logístico da PF, o que permitirá filmagens nas instalações onde a Lava Jato está sendo conduzida e com os equipamentos reais, como viaturas, helicópteros e armamentos.

“É importante frisar que o acordo nos confere total liberdade criativa. A Polícia Federal não terá qualquer ingerência sobre o roteiro, decisões de produção ou edição”, ressalta o diretor Marcelo Antunez. “Nós não somos vinculados a qualquer partido ou movimento e o filme não tem objetivos políticos. Estamos trabalhando para fazer um arrasa-quarteirão que lote as salas de cinema. Vamos levar ao público a emoção, os bastidores e os dramas pessoais da Lava-Jato, que foi o principal assunto do Brasil nos últimos dois anos e continuará a ser pelos próximos.”

Tudo o que sabemos sobre:

Polícia Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.