Lava Jato descobre US$ 190 milhões em contas de doleiro

Cooperação jurídica com Ilhas Cayman revela ativos de off-shores e transferências de subsidiária de gigante holandesa de combustíveis de petroleiros para Nelson Ribeiro, alvo da etapa Corrosão, deflagrada em 16 de novembro

Mateus Coutinho e Fausto Macedo

11 de dezembro de 2015 | 05h00

A força-tarefa da Operação Lava Jato descobriu uma movimentação de US$ 190 milhões de dólares e 4,4 milhõeS de euros em contas do doleiro Nelson Martins Ribeiro, preso na Operação Corrosão, 20ª fase das apurações, deflagrada no dia 16 de novembro. Segundo a Polícia Federal, Nelson Ribeiro ‘dedica-se profissionalmente à corrupção e à lavagem de dinheiro’.

A Lava Jato citou pela primeira vez a multinacional holandesa Vitol, fornecedora de combustíveis para petroleiros.

Inicialmente, a Lava Jato identificou que o doleiro da Corrosão – colocado em liberdade dez dias depois – usou três contas secretas em nome de off-shores mantidas nas Ilhas Cayman (Crown International Ltd., Enterprise Tech Industries Inc e Apple Capital Corp) para depositar US$ 5,66 milhões nas contas do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa – primeiro delator da Lava Jato.

Juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato. Foto: Gil Ferreira/Agência Brasil

Juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato. Foto: Gil Ferreira/Agência Brasil

“Examinando mais acuradamente, a documentação relativa às contas, contatou que a movimentação total das contas de Nelson seria muito superior ao montante depositado de Paulo Roberto Costa, atingindo, entre 2009 e 2012, USD 190.204.821,98 e 4.459.259,66 euros”, registra no processo o juiz federal Sérgio Moro, que conduz os processos da Lava Jato em Curitiba.

Com a cooperação jurídica internacional das Ilhas Cayman, a Procuradoria descobriu que parte dos recursos depositados nas contas de Nelson Ribeiro veio das contas das off-shores Klienfeld Services, Innovation Researd, Trident Trading e Constructora del Sur. Essas contas foram utilizadas, segundo a Lava Jato, para fazer depósitos nas contas secretas não só do ex-diretor de Abastecimento, mas como também para o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque – preso desde março, em Curitiba – e seu ex-braço direito Pedro Barusco, delator dos processos.

O documento da Procuradoria da República cita também o doleiro Bernardo Freiburghaus, apontado pelos investigadores como operador de propinas da Odebrecht. “Nelson Martins Ribeiro, por intermédio de sua casa de câmbio N e A Viagens Turismo e Câmbio LTDA., é um operador financeiro que, juntamente com Bernardo Freiburghaus, desenvolveu diversos atos de lavagem transnacional de ativos em favor do Grupo Odebrecht por intermédio da realização de transações financeiras ilícitas no exterior a partir de contas sediadas nas Ilhas Cayman em nome das offshores Crown International LTD, Enterprise Tech Industries Inc. e Apple Capital Corp”, sustenta a Procuradoria da República.

[veja_tambem]

Holandesa. A Lava Jato descobriu também recursos de uma multinacional holandesa, fornecedora da Petrobrás, como origem dos pagamentos nas contas secretas do doleiro. “Também identificou transferências a depósitos nas contas de Nelson Ribeiro provenientes de contas em nome de Cockett Marine Oil Ltd Brazil, Jet Star Aviação Ltda e Sutech Engenharia, também em valores milionários”, registra Moro.

O juiz afirma que autoridade policial identificou que uma dessas off-shores, a Cockett Marine, seria “subsidiária do Grupo Vitol da Holanda e que forneceriam combustíveis para a frota de petroleiros da Petrobrás”.

“No contexto, decorre fundada suspeita de que o investigado pode estar envolvido em crimes que transcendem os próprios pagamentos identificados a Paulo Roberto Costa”, diz Moro. Apesar de ponderar que “não é o caso de exarar nesse momento qualquer conclusão”, o juiz da Lava Jato destacou a necessidade de intimação das empresas depositantes para prestar esclarecimentos. Em especial empresas “fornecedoras da Petrobrás até o momento não cogitadas”

A Vitol, procurada, não se pronunciou.

COM A PALAVRA A ADVOGADA FERNANDA TELLES, ADVOGADA DE BERNARDO FREIBURGHAUS
O Bernardo é agente autônomo de investimentos, sócio de uma empresa, Diagonal Investimentos, distribuidora de fundos, administrados por várias instituições financeiras. Ele jamais atuou como intermediador e operador de propinas, tão pouco tem poderes para abrir contas no exterior ou aceitar depósitos ou fazer transferências. Tanto é assim que, o material enviado por autoridades suíças sequer menciona o nome do Bernardo nas contas das muitas empresas offshores investigadas.

COM A PALAVRA, A ODEBRECHT
“A Odebrecht refuta as imputações feitas pelo Ministério Público Federal. A empresa não tem relacionamento com a pessoa citada, tampouco é detentora das contas em questão.”

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.