Lava Jato denuncia executivo da GDK por propina de US$ 200 mil e corrupção em contratos de R$ 788 mi da Petrobrás

Lava Jato denuncia executivo da GDK por propina de US$ 200 mil e corrupção em contratos de R$ 788 mi da Petrobrás

Força-tarefa do Ministério Público Federal do Paraná acusa César Roberto Santos de Oliveira por corrupção e lavagem de dinheiro em pelo menos quatro contratos celebrados entre a empreiteira e a estatal

Pepita Ortega, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

06 de setembro de 2019 | 17h10

Petrobrás. Foto: PAULO VITOR/AGENCIA ESTADO/AE

A Lava Jato denunciou, nesta sexta, 6, César Roberto Santos de Oliveira, executivo da GDK, por corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo contratos celebrados com a Petrobrás entre julho de 2007 e abril de 2012. O valor total de tais acordos, depois da celebração de uma série de aditivos, chegou a mais de R$ 788 milhões, diz a força-tarefa.

Segundo o Ministério Público Federal do Paraná, César Oliveira, então administrador e diretor da empreiteira GDK, prometeu e pagou propina a Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobrás, para garantir o favorecimento da empresa em licitações, contratos e aditivos celebrados com a estatal.

Em sua delação premiada, Pedro Barusco afirmou que os atos de corrupção envolveram, pelo menos, quatro contratos celebrados pela GDK com a Petrobrás e suas subsidiarias Transportadora do Nordeste e Sudeste (TNS) e Trasportadora Associada de Gás S.A. (TAG).

A procuradoria indicou que as afirmações de Barusco foram comprovadas por e-mails trocados entre ele e César Oliveira.

O executivo também é acusado por lavagem de capitais. Segundo a força-tarefa, em janeiro de 2009, César usou uma conta mantida no exterior, em nome da offshore Melk – Comércio e Serviços Internacionais, para uma transferência de US$ 200 mil.

O valor teve como destino a offshore Korat Investments, mantida pelo então gerente da Petrobras Pedro Barusco no Lloyds Bank TSB, na Suíça, para o recebimento de propinas, diz a Procuradoria.

O MPF indicou ainda que a denúncia traz comprovantes da transação – os extratos da conta que foram apreendidos na 9ª fase da Operação Lava Jato, quando foram cumpridos mandados de busca e apreensão em endereços de César Oliveira.

COM A PALAVRA, CÉSAR ROBERTO SANTOS DE OLIVEIRA

A reportagem tenta contato com o executivo. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE PEDRO BARUSCO

A reportagem tenta contato com o ex-gerente. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, A PETROBRÁS

“A Petrobras trabalha em estreita parceria com as autoridades que conduzem a Operação Lava Jato e é reconhecida pelo próprio Ministério Público Federal e pelo Supremo Tribunal como vítima dos crimes desvendados. A companhia vem colaborando com as investigações desde 2014, e atua como coautora do Ministério Público Federal e da União em 18 ações de improbidade administrativa em andamento, além de ser assistente de acusação em 57 ações penais.”

Tendências: