Lava Jato cobra R$ 152,6 milhões de duas empreiteiras do cartel

Lava Jato cobra R$ 152,6 milhões de duas empreiteiras do cartel

Valor, acrescido de US$ 14,8 milhões, é referente à corrupção na Petrobrás supostamente cometida pela Queiroz Galvão e pela Iesa Óleo e Gás, cujos executivos foram denunciados pela Procuradoria da República ao juiz Sérgio Moro

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

13 de setembro de 2016 | 15h34

tabeladenunciaqg

tabeladenunciaqg2

O Ministério Público Federal cobra R$ 152,6 milhões e US$ 14,8 milhões das empreiteiras Queiroz Galvão e Iesa Óleo e Gás, cujos executivos – oito ao todo – foram denunciados nesta terça-feira, 13, por formação de cartel, corrupção ativa e lavagem de dinheiro no esquema de propinas instalado na Petrobrás.

Na denúncia, os procuradores da República que integram a força-tarefa da Operação Lava Jato pedem o montante a título de ‘reparação mínima dos danos’ causados à estatal petrolífera por meio do esquema de corrupção.

Os procuradores cobram R$ 105,03 milhões e US$ 12,45 milhões dos executivos ligados à Queiroz, além de R$ 47,61 milhões e mais US$ 2,36 milhões dos dirigentes da Iesa Óleo e Gás, ‘valor estimado da corrupção’.

“Esses montantes correspondem à estimativa mínima da propina oferecida pelos empreiteiros”, assinalam os procuradores.

tabeladenunciaqg3

A denúncia é a primeira pelo crime de cartel no âmbito da Lava Jato. Segundo o procurador Diogo Castor, ‘o crime de cartel é muito difícil de comprovar’.

“O ajuste entre as grandes construtoras foi comprovado por colaborações premiadas, que quebraram a corrente de silêncio, e por documentos apreendidos bastante ilustrativos.”

Um documento que embasa a primeira denúncia por cartel é o ‘regulamento do campeonato esportivo’ – que regulava a conduta das empresas do cartel.

Outro documento é o que estabelecia premiações de um suposto ‘bingo fluminense’, o qual na verdade dividia obras do Complexo Petroquímico do Rio (Comperj) entre as construtoras.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.