Lava Jato cita caso Celso Daniel ao pedir prisão de Bumlai

Lava Jato cita caso Celso Daniel ao pedir prisão de Bumlai

Investigação sobre as operações financeiras do pecuarista aponta que ele pode ter atuado no esquema da Petrobrás e também para pagar um empresário de Santo André que, segundo Marcos Valério, teria chantageado Lula

Mateus Coutinho, Fausto Macedo, Julia Affonso e Ricardo Brandt

24 Novembro 2015 | 16h52

Marcos Vaélio. Foto: Celso Junior/AE

Marcos Valério. Foto: Celso Junior/Estadão

Ao pedir a prisão do pecuarista José Carlos Bumlai pelo empréstimo de R$ 12 milhões obtido por ele junto ao banco Schahin, a força-tarefa da Lava Jato citou um episódio mencionado pelo condenado no mensalão Marcos Valério, em 2012, quando ele tentou, sem sucesso, um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República para reduzir sua condenação de 37 anos no mensalão.

O publicitário afirmou naquela época que o pecuarista teria repassado dinheiro a um empresário de Santo Andre para evitar que ele revelasse novos nomes envolvidos na morte do então prefeito de Santo André, Celso Daniel (PT), em 2002. As investigações até agora apontam que R$ 12 milhões movimentados pelo pecuarista podem ter sido encaminhados ao PT no esquema de corrupção na estatal, mas os investigadores não descartam a versão de Valério.

“O destino final dos R$ 12 milhões ainda é controverso. Uma tese seria de que os recursos foram destinados ao Partido dos Trabalhadores com o objetivo de pagar dívidas da campanha presidencial (versão dada por Fernando Soares e Eduardo Musa). Outra versão seria de que o dinheiro foi utilizado para pagar um empresário de Santo André que ameaçava envolver pessoas relacionadas à cúpula do Partido dos Trabalhadores no Caso Celso Daniel (versão de Marcos Valério)”, afirmam os procuradores no pedido de prisão preventiva.

Oficialmente, o empréstimo de R$ 12 milhões nunca foi quitado com o banco e a principal suspeita da operação é de que ele tenha sido “quitado” a partir da contratação da Schahin pela Petrobrás para operar o navio-sonda Vitória 10.000, em 2009. Chamou a atenção da força-tarefa e do próprio juiz Sérgio Moro, contudo, a coincidência com o episódio relatado por Valério.

[veja_tambem]

“Interessante notar que rumores dessa história (empréstimo do banco Schahin para Bumlai) chegaram ao conhecimento de Marcos Valério Fernandes de Souza, condenado criminalmente na Ação Penal 470” assinala Moro na decisão que decretou a prisão de Bumlai.

Na versão do publicitário, em depoimento à PGR, o empresário do setor de transportes em Santo André Ronan Maria Pinto estaria chantageando o ex-presidente Lula, e os ex-ministros José Dirceu e Gilberto Carvalho e poderia revelar novos nomes no polêmico caso. Valério teria participado de uma reunião com Ronan Maria na capital paulista na qual o empresário teria solicitado R$ 6 milhões para comprar 50% do diário do Grande ABC, jornal da região que cobriu o assassinato na época.

Bumlai foi preso nesta terça-feira, 24. Foto: André Dusek/Estadão

Bumlai foi preso nesta terça-feira, 24. Foto: André Dusek/Estadão

Depois do encontro, Valério relatou ao Ministério Público que foi informado que o empréstimo seria feito pelo banco Schahin para Bumlai. Na época, Valério já havia associado o fato de que o banco possuía uma construtora de mesmo nome e que tinha contratos na Petrobrás.

A própria Lava Jato encontrou no escritório de Youssef, no ano passado, cópia de um contrato de mútuo entre uma empresa de Valério e uma de Ronan Maria Pinto no valor de R$ 6 milhões. “Não se tem conhecimento se esses contratos foram executados. A fiar-se em Marcos Valério isso não teria se ultimado”, pontua Moro em sua decisão. O magistrado lembra ainda na decisão que Ronan Maria Pinto efetivamente adquiriu, em 2006, 60% das ações do Diário do Grande ABC pelo valor de R$ 6,8 milhões.

“Por outro lado, a Receita Federal colheu alguns indícios de que parte dos valores do empréstimo do Banco Schahin a José Carlos Bumlai pode mesmo ter sido direcionada a Ronan Maria Pinto para aquisição de ações da empresa Diário do Grande ABC S/A”, afirma Moro em seu despacho. Ele cita a declaração da empresa de Ronan para o ano de 2004 na qual aparece o valor de R$ 6 milhões como “passível exigível a longo prazo”, “o que confirma que a referida empresa teria recebido um empréstimo neste valor no referido ano. Pela declaração, não é porém possível identificar o mutuante”, segue Moro.

Em sua delação premiada na Lava Jato, o dirigente do grupo Schahin, Salim Taufic Schahin, confirmou que houve uma reunião com Bumlai e executivos do banco em 2004 para tratar do empréstimo e que o pecuarista então teria pedido o dinheiro “em nome do PT”. “Na ocasião foi apresentado um pedido de empréstimo, alegando-se,inclusive, que se tratava de um pedido do Partido dos Trabalhadores e ele, José Carlos Bumlai, tomaria o empréstimo em nome do Partido, pois havia uma necessidade do PT que precisava ser resolvida de maneira urgente”, relatou em sua delação aos investigadores da operação.

Apesar da coincidência com o caso relatado por Valério, o juiz Sérgio Moro entendeu que, independente do envolvimento de Ronan Maria Pinto, há provas suficientes para embasar a prisão de José Carlos Bumlai com base no que já foi revelado até agora sobre o esquema da Petrobrás. “De todo modo, quer o dinheiro tenha ou não sido mesmo destinado a Ronan Maria Pinto, o fato não tem tanta relevância para caracterização ou não dos crimes em apuração”, afirma o magistrado.

COM A PALAVRA, A DEFESA: 

O PT não quis se manifestar sobre o caso. O empresário Ronan Maria Pinto afirmou, por meio de nota divulgada pela sua assessoria de imprensa, que não conhece Bumlai nem Marcos Valério.

“Reafirmo que apoio e aguardo com total tranquilidade as investigações que vêm sendo feitas no âmbito da Operação Lava Jato, e que – espero – devem encerrar de vez esse assunto no qual toda hora me citam. A propósito: não conheço José Carlos Bumlai; não conheço Marcos Valério. Não tenho ou tive qualquer relação com esses fatos”, diz o texto.

O criminalista Marcelo Leonardo, que defende Marcos Valério que seu cliente não tem nada a acrescentar em relação ao depoimento de 2012 e não quis comentar as suspeitas do MPF. “A Procuradoria tem isso na mão deles desde aquela época e não apurou nada, ele (Marcos Valério) não tem nada a acrescentar quem tem que se explicar é a Procuradoria da República”, afirmou.

A reportagem entrou em contato com a defesa de Bumlai, mas ainda não obteve retorno. Mais cedo, o criminalista Arnaldo Malheiros Filho, que defende o empresário, disse que ainda não tinha tomado conhecimento do motivo da prisão do pecuarista.