Lava Jato apura contratos da Odebrecht

Lava Jato apura contratos da Odebrecht

Três acordos envolvendo a construtora nas obras da Refinaria Abreu e Lima tiveram 61 aditivos que elevaram valor final em R$ 960 milhões

Redação

31 de janeiro de 2015 | 18h21

Por Ricardo Brandt e Fausto Macedo

Três contratos envolvendo a construtora Norberto Odebrecht nas obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, estão sendo investigados pela Operação Lava Jato. Os acordos, assinados entre julho de 2007 e dezembro de 2009, tiveram 61 aditivos que elevaram em R$ 960 milhões o valor final – de R$ 5,1 bilhões para cerca de R$ 6 bilhões – pago pela Petrobrás. Além de desvios, a Polícia Federal apura se houve cartelização.

Em um desses contratos, referente às obras de unidades de hidrotratamento e de geração de hidrogênio (UHDT e UGH), foram firmados 19 aditivos, que elevaram em R$ 539 milhões o valor contratual. O valor inicial saltou de R$ 3,19 bilhões para R$ 3,73 bilhões. No outro, assinado no mesmo dia – 10 de dezembro de 2009 -, para obras da unidade de destilação atmosférica (UDA), o valor inicial foi de R$ 1,48 bilhão para R$ 1,77 bilhão, com 25 aditivos. O terceiro contrato, firmado em 31 de julho de 2007, referente a obras de terraplanagem, subiu de R$ 429 milhões para R$ 534 milhões – após um total de 17 aditivos.

Essas informações fazem parte de uma sindicância interna da Petrobrás sobre as obras da Abreu e Lima, aberta após a deflagração da Lava Jato. O documento da estatal, anexado ao inquérito, afirma que houve elevação de custo e “necessidade de grande quantidade de aditivos contratuais” em decorrência de um plano de antecipação das obras, para 2010, que teve como figura central Costa. Nesse período, o delator era diretor de Abastecimento – indicado pelo PP – e o primeiro presidente do Conselho de Administração da companhia criada para gerir a construção de Abreu e Lima. Segundo o TCU, há problemas de sobrepreço e de projeto que elevaram os custos gerais.

Refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco. Foto: Wilton Junior/Estadão

A Polícia Federal suspeita que valores supostamente desviados das obras da Refinaria Abreu e Lima podem ter abastecido caixa da propina do esquema de corrupção na Petrobrás. Foto: Wilton Junior/Estadão

A PF suspeita que valores supostamente desviados das obras da Abreu e Lima podem ter abastecido o caixa da propina movimentada pelo esquema de corrupção na estatal. Por isso, vai aprofundar as análises técnicas dos contratos e dos apontamentos de irregularidades identificados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pela própria Petrobrás.

Primeiro delator do processo, o ex-diretor de Abastecimento Paulo Roberto Costa confessou ter recebido US$ 23 milhões em propina da Odebrecht. O valor foi pago entre 2008 e 2009 por meio de uma conta aberta na Suíça, por indicação de um executivo do grupo, afirmou ele em sua delação premiada.

A sindicância apontou outros dois problemas nos contratos assinados em 2009. Um dos problemas foi o de “relicitação” ocorrida no decorrer do processo de contratação, que fez com que os “contratos assinados no ‘topo’ da estimativa”, indicando “cartelização”. “A Comissão identificou, analisando o comportamento dos resultados destes processos licitatórios (primeira e segunda rodadas de licitação), que o valor das propostas aproximou-se do ‘teto’ (valor de referência mais 20%) das estimativas elaboradas pela Diretoria de Engenharia”, informa a Comissão de Sindicância em seu relatório final.

Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa e outras empresas que participaram das obras iniciadas em 2007, alvos da sindicância, integram o suposto cartel de empreiteiras – autodenominado “clube” -, que fatiava os contratos da Petrobrás, mediante pagamento de propina.

“Estes fatos, associados às declarações do Sr. Paulo Roberto Costa, indicam a possibilidade da existência de um processo de cartelização relativo às empresas indicadas nos processos analisados”, registra documento interno da estatal.

Na semana passada, a PF cobrou da presidente da Petrobrás, Graça Foster, o envio dos documentos com detalhes dos contratos da estatal com a Odebrecht nas obras de Abreu e Lima.

ODEBRECHT

Alteração. Outro problema apontado na sindicância em relação aos contratos do consórcio integrado pela Odebrecht na obra que é investigado pela PF é a alteração no processo de contratação após a abertura, atendendo pedido da própria empreiteira.

“Foram observadas alterações dos percentuais da fórmula de reajuste de preços, acolhendo sugestões das empresas licitantes. Um dos itens em que isso ocorreu foi para que se atribuísse ao componente ‘mão de obra’, o porcentual de 80%”, informa a sindicância.

Segundo as conclusões da comissão da estatal foi identificado “que o histórico dos pesos atribuído à mão de obra, utilizados nos contratos de unidades de processamento da Petrobrás, geralmente oscilam entre 55% e 60%”.

Foi o que aconteceu nas obras da unidade UHDT. “Os pesos da fórmula de reajuste da minuta original do convite foram alterados (passando de 55% para 80%), encaminhada por meio de circular n.º 5, de 24/05/2009, após sugestão da licitante Odebrecht Plantas Industriais, que se tornaria vencedora do certame.”

Essa alteração solicitada e realizada elevou em R$ 121 milhões o valor pago pela estatal para a Odebrecht. A autora do pedido, a Odebrecht Plantas Industriais, segundo a sindicância é um dos braços do grupo que tem como diretor o executivo Rogério dos Santos Araújo.

Ele foi apontado por Costa como responsável pela abertura da conta na Suíça em que foram depositados os US$ 23 milhões pagos de propina, que o ex-diretor aceitou devolver aos cofres públicos como multa, dentro do acordo de delação premiada.

COM A PALAVRA, A ODEBRECHT.

“A Odebrecht reafirma que não fez nenhum pagamento ou depósito para executivo ou ex-executivo da Petrobras. E repudia as declarações mentirosas de ex-diretor da estatal, réu confesso nos processos que correm na Justiça Fe?deral do Paraná. A empresa também deplora ilações que buscam relacionar as afirmações caluniosas do ex-diretor a contratos com a Petrobras obtidos, como ocorre há décadas, por meio de processos totalmente embasados na legislação vigente. É lamentável que um jornal com a tradição de O Estado de São Paulo colabore com este tipo de ilação e sequer se disponha a conceder tempo hábil e atenção para ouvir, em entrevista, os argumentos técnicos e legais da empresa.

Entre os contratos citados pelo jornal, a Odebrecht é líder apenas do conquistado pelo consórcio Conest-Rnest. A empresa está convicta, porém, que todos os processos de contratação dos quais participou na Refinaria Abreu e Lima (incluindo seus aditivos) seguiram os trâmites legais e atenderam a ponderações técnicas e econômicas, sempre arbitradas pela Petrobras e seu corpo técnico e gerencial.

A Odebrecht ressalta que qualquer análise coerente de qualquer contrato relacionado a um projeto complexo como a Refinaria Abreu e Lima deve considerar que trata-se de uma obra greenfield (construída do zero) e no entorno da qual teve de construir toda uma infraestrutura até então inexistente.?”