Laranja de Youssef aponta pagamentos da Odebrecht em Hong Kong

Laranja de Youssef aponta pagamentos da Odebrecht em Hong Kong

Doleiro Leonardo Meirelles, réu da Lava Jato, declarou à Polícia Federal que valores depositados em conta secreta eram referentes a dívida de empreiteira com esquema

Redação

20 de julho de 2015 | 14h52

Leonardo Meirelles, apontado como doleiro usado por Youssef

Leonardo Meirelles, apontado como doleiro usado por Youssef

Atualizada às 15h57

Por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

Um dos laranjas de Alberto Youssef, o doleiro Leonardo Meirelles, confirmou à Polícia Federal que a Construtora Norberto Odebrecht usou a lavanderia de dinheiro mantida por eles, em Hong Kong, e citou uma suposta dívida de US$ 7,5 milhões da empreiteira com o esquema.

Lava Jato rastreia US$ 7 milhões de propina atribuída a Odebrecht

Interrogado no dia 17 pelo delegado da Polícia Federal Eduardo Mauat da Silva, Mereilles indicou quais movimentações feitas na conta controlada por ele, em nome da offshore RFY Import & Export Ltd, em Hong Kong, foram feitas para lavar dinheiro ilícito. Parte desses valores seria originária da Odebrecht.

“Youssef possuia um controle sobre essas operações, observando que o mesmo vinculou os depósitos ao pagamento de uma dívida maior de 7,7 milhões de reais a serem pagos no exterior pela Odebrecht”, registrou a PF na transcrição do depoimento de Meirelles.

Meirelles, que está condenado por ser usado como laranja de Youssef nas operações de lavagem de dinheiro desviado da Petrobrás, confirmou que ‘as contas mantidas pela RFY Import e Export Ltd receberam diversos depósitos ordenados por Alberto Youssef, tendo este lhe informado que se tratavam de pagamentos ilícitos’.

Meirelles confirmou laudo pericial da PF que apontava os pagamentos feitos por Youssef na conta da RFY no banco Standart Chartered, em Hong Kong. Segundo ele, todos os valores “mais elevados” que entraram na conta da RFY “foram determinados por Youssef.

DEPOIMENTO MEIRELLES 2

As movimentações de Youssef via conta da RFY envolviam tanto depósitos em moeda estrangeira no exterior como depósitos nas contas das empresas que controlava no Brasil. Recorda inclusive que Youssef mencionou que a Odebrecht lhe devia uma certa quantia e que seriam feitos diversos pagamentos para integralizar esse valor.

Meirelles apontou como contato de Youssef na Odebrecht uma pessoa conhecida como ‘Naruto’. Segundo revelou Rafael Ângulo Lopes – carregador de malas de dinheiro do esquema que entregava os números de contas e buscava os comprovantes nas sedes da empreiteira – ‘Naruto’ é o apelido de Cesar Ramos Rocha. Ele, o presidente da construtora, Marcelo Bahia Odebrecht, e outros executivos estão presos pela Lava Jato desde o dia 19 de junho e devem ser indiciados ainda hoje pela PF.

“Tais recursos foram disponibilizados a Youssef no Brasil, podendo ter utilizado as contas da Industria e Comércio de Medicamentos Labogen e Piroquimica Comercial”, afirmou Meirelles.

As indústrias de medicamentos Labogen foram usadas por Youssef, com auxílio do ex-deputado André Vargas (ex-PT, hoje sem partido/PR) e de funcionários públicos para viabilizar contrato milionário com o Ministério da Saúde – o contrato não efetivado.

COM A PALAVRA, A ODEBRECHT

“Em relação ao depoimento de Leonardo Meirelles, a Construtora Norberto Odebrecht nega ter feito qualquer pagamento ou depósito em suposta conta de doleiro. É no mínimo questionável que o delator ao apresentar um extrato não consiga demonstrar qualquer vínculo com a empresa. Mais uma vez, a empresa repudia depoimentos de réus confessos que visam trazer suspeitas infundadas e direcionadas. Por fim, a CNO aponta que atribuição de ´Naruto´ como apelido de um dos seus ex-integrantes é fantasiosa, sendo ilegal sua utilização como fundamento para o cerceamento preventivo de liberdade”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.