Lamentável, afirma delegado da PF sobre silêncio de Marisa e Fábio Lula

Lamentável, afirma delegado da PF sobre silêncio de Marisa e Fábio Lula

Marcio Anselmo, da Lava Jato, manteve as oitivas da mulher e do filho do ex-presidente Lula 'para, querendo, apresentarem suas versões sobre os fatos'

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

12 de agosto de 2016 | 14h47

O delegado Márcio Adriano Anselmo, da Polícia Federal, em Curitiba

O delegado Márcio Adriano Anselmo, da Polícia Federal, em Curitiba

O delegado federal Marcio Adriano Anselmo, da Operação Lava Jato, classificou como ‘lamentável’ a decisão da ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva e do filho mais velho do ex-presidente Lula, Fábio Luis Lula da Silva de ficarem em silêncio sobre o Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP). Marisa Letícia e Fábio Luís foram intimados a prestarem “esclarecimentos” sobre a compra e reformas no sítio, investigado pela força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba.

“Lamentável a posição por parte dos referidos que, além de serem críticos da condução coercitiva, cuja validade já fora reconhecida no julgamento do HC 107644 sob relatoria do Ministro Ricardo Lewandowski, julgado em 6 de setembro de 2011, apesar de sempre terem alegado estarem à disposição das autoridades para o esclarecimento dos fatos quando intimados, buscam evitar o comparecimento, notadamente diante de tantos fatos a serem esclarecidos pelos ora peticionantes”, afirmou o delegado.

A defesa de Lula disse, em ofício, à PF que sua família ‘nada tem a acrescentar’ sobre a compra e reformas no Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), investigado pela força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba. Os advogados do ex-presidente alegam que legislação não obriga a mulher e o filho do petista, investigado na Lava Jato, a depor como testemunhas.

marisa-fabio

Em despacho na quinta-feira, 11, o delegado Marcio Anselmo manteve os depoimentos.

“Quanto ao requerido por Marisa Letícia Lula da Silva e Fábio Luis Lula da Silva, na qual afirmam que pretendem utilizar-se do direito constitucional de permanecer em silêncio previsto no artigo 5o LXIII da Constituição Federal, cumpre aqui destacar que trata-se de oportunidade assegurada aos investigados para que possam esclarecer os fatos apurados na presente investigação em seu desfavor”, afirmou.

“De qualquer forma, mantenho as oitivas dos referidos, a ser realizada em data designada para, querendo, apresentarem suas versões sobre os fatos.”

Lula é investigado em três inquéritos principais na força-tarefa da Lava Jato em Curitiba: um sobre a compra e reforma do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), sobre compra e reforma do tríplex do Edifício Solaris, no Guarujá, e sobre recebimentos do Instituto Lula e da empresa LILS Palestras e Eventos – do ex-presidente.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE LULA

Toda atividade investigativa deve ser realizada de forma isenta para que seja legítima e efetivamente possa apurar a realidade dos fatos.

O Delegado Federal Márcio Anselmo lamentavelmente possui um histórico de publicações ofensivas contra Lula nas redes sociais que nos deixa com muito desconforto.

Iremos avaliar a melhor forma jurídica de amenizar o constrangimento que se pretende impor a uma senhora que sabidamente não tem nada a acrescentar aos depoimentos já prestados pelo ex-Presidente Lula.

Cristiano Zanin Martins

Tudo o que sabemos sobre:

Lulaoperação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.