Brasília e Goiânia: nas casas de Alexandre Baldy, PF pega R$ 250 mil em dinheiro; veja

Brasília e Goiânia: nas casas de Alexandre Baldy, PF pega R$ 250 mil em dinheiro; veja

Dinheiro foi encontrado em dois cofres na residência do secretário de Transportes Metropolitanos do governo João Doria, alvo da Operação Dardanários, preso nesta quinta-feira, 6, em São Paulo

Pepita Ortega e Fausto Macedo

06 de agosto de 2020 | 10h07

Atualizada às 10h54 com posicionamento da defesa, da Secretaria e do governador*

Durante as buscas da Operação Dardanários, desencadeada na manhã desta quinta, 6, a Polícia Federal apreendeu cerca de R$ 90 mil em espécie em um endereço ligado ao ex-deputado, ex-ministro e atual secretario de Transportes Metropolitanos de São Paulo, Alexandre Baldy. Os valores foram encontrados em dois cofres em uma casa situada no lago Sul, em Brasília. Em outra casa do político, em Goiânia, os investigadores encontraram mais R$ 115 mil, e no apartamento onde ele mora na capital paulista haviam outros R$ 45 mil, elevando o montante apreendido para R$ 250 mil. Baldy foi preso temporariamente no âmbito da investigação, que mira suposto conluio entre agentes públicos e empresários para direcionamento de contratações na área da Saúde.

Operação Dandanários. Foto: Polícia Federal

Operação Dardanários. Foto: Polícia Federal

Ao todo os agentes realizam 11 buscas em Petrópolis (RJ), São Paulo (SP), São José do Rio Preto (SP), Goiânia (GO) e Brasília (DF). Além disso, buscam cumprir seis mandados de prisão, sendo que até o momento três foram executados.

Segundo o Ministério Público Federal do Rio, a ofensiva é um desdobramento das operações Fatura Exposta, Calicute e SOS, que apuram desvios de recursos do Rio repassados para Organização Social Pró-Saúde, que administrou diversos hospitais no Estado e em outros locais do país. Alguns dos investigados na Dardanários teriam sido beneficiados com os desvios do dinheiro público repassado à OS, diz a Procuradoria.

O MPF informou que a partir da colaboração premiada de ex-diretores da Organização Social Pró-Saúde, ‘foi elucidado o pagamento de vantagens indevidas para agentes que pudessem interceder em favor da OS em relação aos pagamentos do contrato de gestão do Hospital de Urgência da Região Sudoeste (HURSO), em Goiânia, que foi administrado pela Pró-Saúde entre 2010 e 2017’.

Segundo os investigadores, foi identificado um esquema de direcionamento de contratos da Junta Comercial do Estado de Goiás (JUCEG) e da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), através da Fundação de Apoio FIOTEC.

Durante o período indicado pelo MPF, de 2010 a 2017, Baldy foi secretário de Indústria e Comércio de Goiás (2011 a 2013) e depois foi eleito deputado federal em 2014, tendo se licenciado do cargo em novembro de 2017 para assumir o Ministério das Cidades durante o governo Temer.

Veja os vídeos da PF na casa de Baldy em Brasília

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA PIERPAOLO CRUZ BOTINI, DEFENSOR DE BALDY

Alexandre Baldy tem sua vida – particular e pública – pautada pelo trabalho, correção e retidão. Ao estar em cargos públicos, fica sujeito a questionamentos. Foi desnecessário e exagerado determinar uma prisão por fatos de 2013, ocorridos em Goiás, dos quais Alexandre não participou.
Alexandre sempre esteve à disposição para esclarecer qualquer questão, jamais havendo sido questionado ou interrogado, com todos os seus bens declarados, inclusive os que são mencionados nesta situação. A medida é descabida e as providências para a sua revogação serão tomadas.

COM A PALAVRA, A SECRETARIA DE TRANSPORTES METROPOLITANOS

Na manhã de hoje (6), a Polícia Federal esteve na sede da Secretaria dos Transportes Metropolitanos, em São Paulo, cumprindo mandado de busca e apreensão da Operação Dardanários, que foi expedido pela 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro. Importante ressaltar que tal operação não tem relação com a atual gestão do Governo de São Paulo. A STM colaborou junto à PF enquanto estiveram no prédio. Após as buscas, nenhum documento ou equipamento foi levado pela Polícia Federal.

COM A PALAVRA, O GOVERNADOR JOÃO DORIA

 Os fatos que levaram as acusações contra Alexandre Baldy não têm relação com a atual gestão no Governo de São Paulo. Portanto, não há nenhuma implicação na sua atuação na Secretaria de Transportes Metropolitanos. Na condição de Governador de São Paulo, tenho convicção de que Baldy saberá esclarecer os acontecimentos e colaborar com a Justiça.

COM A PALAVRA, A PRÓ-SAUDE

A Pró-Saúde informa que, desde 2017, tem colaborado de forma irrestrita com as investigações e vem adotando ações para o fortalecimento de sua integridade institucional.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: