Justiça proíbe ato pró-Lula na Paulista

Com decisão, CUT transfere manifestação para República, no centro de SP; MBL comemora, fica com a via e diz que central tentou intimidar

Gilberto Amendola

19 Janeiro 2018 | 20h57

O juiz Antonio Augusto Galvão de França, da 3ª Vara de Fazenda Pública de São Paulo, negou nesta sexta-feira, 19, o pedido da Central Única dos Trabalhadores (CUT) para realizar na Avenida Paulista um ato a favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na próxima quarta-feira. Com a decisão, a entidade transferiu sua manifestação para a Praça da República, no centro de São Paulo.

+ Polícia diz que chegou a acordo com movimentos pró-Lula

Documento

A CUT ajuizou uma mandado de segurança na quinta-feira, 18, para garantir espaço na via no dia 24, quando o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, vai julgar um recurso do petista no caso do triplex do Guarujá (SP). Lula foi condenado a 9 anos e 6 meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, da Lava Jato em Curitiba.

PT ‘ignora’ julgamento e finaliza Carta ao Povo

A avenida, no entanto, também foi requisitada pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e Revoltados Online para uma manifestação contrária a Lula. Na quarta-feira, foi realizada uma reunião com entidades e Polícia Militar, mas não houve acordo.

Trezentos jornalistas no julgamento de Lula

“No caso em pauta, a entidade impetrante (CUT) comunicou aos órgãos competentes o intuito de realizar evento às 14 horas, na Avenida Paulista, 1.578, na altura do Masp, com ‘carro de som de grande porte, falas políticas e ação cultural’. Todavia, há notícia de que uma outra entidade indicou intuito em promover manifestação de ideal antagônico no mesmo dia e local”, escreveu França.

Advogado de Lula na ONU vai a Porto Alegre

De acordo com o juiz, porém, “não resta claro qual entidade protocolou primeiro o documento”. “Contudo, analisando a ata da reunião realizada junto à Polícia Militar, tudo indica que a preferência é da outra manifestação (anti-Lula)”, afirmou o juiz na decisão.

O presidente da CUT, Douglas Izzo, afirmou que a central vai respeitar a decisão. “Infelizmente, a Justiça não acatou nosso mandado de segurança. Nós tínhamos o entendimento de que era possível fazer os dois atos na Paulista, da CUT e do MBL, porque estavam marcados em horários diferentes”, disse o sindicalista.

Segundo Izzo, Lula vai participar do ato da CUT. “Isso (a decisão da Justiça) não vai influenciar na qualidade e na quantidade de nossa mobilização. Ao contrário, vai elevar o nível do nosso ato”, afirmou o sindicalista.

“O que a CUT tentou fazer foi nos ameaçar, nos pressionar, para que a gente desistisse do evento na Paulista. Isso nunca ia acontecer. O clamor popular está do nosso lado e a nossa manifestação vai acontecer na Paulista”, afirmou Arthur do Val, porta-voz do MBL.

Pixuleco. Nesta sexta-feira, um grupo de manifestantes contrários ao ex-presidente inflou um boneco gigante – batizado de “pixuleco” – em frente ao prédio de Lula em São Bernardo do Campo. O boneco de 13 metros de altura tem a imagem do petista vestido com uma roupa de presidiário.

Assim que o boneco foi inflado, um grupo ligado ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC foi ao local. A polícia foi chamada e não houve registro de confronto. O “pixuleco” também deve estar presente na avenida Paulista no próximo dia 24. O Movimento NasRuas informou, em nota divulgada na quarta-feira, que o ato na Paulista será realizado coma presença do boneco gigante.

Porto Alegre. O ministro da Justiça, Torquato Jardim, disse ontem na capital gaúcha não ter sido informado sobre “ameaças concretas” a magistrados do TRF-4, que julgarão o recurso sobre a condenação do ex-presidente na quarta-feira.