Justiça solta cunhada de Vaccari

Marice Correa de Lima, sob suspeita de receber propinas da empreiteira OAS, foi presa na semana passada; juiz Sérgio Moro revogou ordem de prisão nesta quinta

Redação

23 Abril 2015 | 12h17

Cunhada de Vaccari Marice Lima ao se entregar à PF, no dia 17. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Cunhada de Vaccari Marice Lima ao se entregar à PF, no dia 17. Foto: Geraldo Bubniak/AGB

Por Julia Affonso, Fausto Macedo e Ricardo Brandt

A Justiça Federal mandou soltar ‘imediatamente’ a cunhada do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Sob suspeita de receber propinas da empreiteira OAS, Marice Correa de Lima está presa desde a semana passada, quando retornou de uma viagem ao Panamá, onde participou de um congresso sindical do Fórum das Américas. A ordem para soltar Marice foi dada nesta quinta feira, 23, às 11h30, pelo juiz Sérgio Moro, que conduz as ações da Operação Lava Jato.

O Ministério Público Federal, convencido de que Marice ocultava valores ilícitos da OAS, requereu sua prisão preventiva. A força tarefa da Lava Jato sustenta que Marice aparece em imagens de segurança de uma agência bancária fazendo transferências de valores que teriam abastecido a conta de sua irmã, Giselda, mulher de Vacccari.

marice no banco

Defesa de Marice diz que pessoa nas imagens é Giselda. Foto: Reprodução

 

O advogado Claudio Pimentel, que defende Marice, afirma que quem aparece nas imagens é a própria Giselda. O juiz Moro mandou expedir alvará de soltura em favor de Marice. A ordem é digirida à Polícia Federal, onde Marice está presa.

O criminalista Claudio Pimentel elogiou a decisão de Moro. Para ele, a medida “recompõe o status legal dos direitos de Marice”.

Para o criminalista Luiz Flávio Borges D’Urso, que defende João Vaccari Neto, a revogação da prisão temporária de Marice “representa um profundo bom senso do juiz (Sérgio Moro) no sentido de verificar e confirmar posteriormente que as imagens (do sistema de segurança da agência bancária) realmente são da Giselda”.

D’Urso é taxativo. “Giselda fazia depósitos em suas próprias contas, como sempre fez durante todo o período que o Ministério Público Federal entendeu por suspeito. Na verdade, esses depósitos todos têm origem lícita, oriundos dos recebimentos auferidos pelo próprio Vaccari, fruto de seu trabalho. Tudo tem origem lícita, tudo é legal.”