Justiça põe ex-diretor do Detran de São Paulo e mais seis no banco dos réus por ‘cartel dos guinchos’

Justiça põe ex-diretor do Detran de São Paulo e mais seis no banco dos réus por ‘cartel dos guinchos’

Denúncia do Ministério Público do Estado aponta que empresários dividiram o mercado de serviços de remoção, depósito e guarda de veículos na capital e no interior paulista

Pepita Ortega e Luiz Vassallo

28 de agosto de 2019 | 18h25

Imagem ilustrativa. Foto: Marcos Arcoverde / Estadão

O juízo da 23ª Vara Criminal de São Paulo recebeu denúncia contra o ex-diretor do Detran de São Paulo Maurício Haruo Koshiyama e outros seis empresários que trabalhavam com a prestação de serviços de remoção, depósito e guarda de veículos, por crime contra a ordem econômica relacionado à formação e participação em um ‘cartel dos guinchos‘.

A denúncia foi oferecida pelos promotores de Justiça do Grupo Especial de Delitos Econômicos do Ministério Público de São Paulo.

Documento

De acordo com o Gedec, os empresários formaram o ‘cartel dos guinchos’ por meio de ‘marketing sharing’ – dividindo o mercado em que atuavam na capital e no interior paulista e formando um oligopólio.

A denúncia diz que o acordo foi formado ‘visando à divisão, entre eles, de ‘fatia de mercado’ relevante que objetivavam controlar, correspondente ao setor de serviço de guinchos que atuou e ainda atua junto ao Detran de São Paulo, em prejuízo à concorrência’.

O cartel atuou pelo menos entre 2014 e 2015, diz a denúncia que tem como base depoimentos de outros empresários do ramo e gravações de conversas com os investigados.

O documento indica que o Koshiyama, então Diretor do Departamento de Educação para o Trânsito e Fiscalização do Detran, é citado nos diálogos como ‘parceiro’ no esquema.

Alguns dos empresários praticaram ainda fraude à licitação, diz o Ministério Público, especificamente em um pregão realizado em 2015 para contratação de serviços de remoção, depósito e guarda de veículos apreendidos ou removidos por infração de trânsito junto à 13ª Superintendência Regional de Araçatuba.

A denúncia também indica que um dos empresários integrantes do cartel, Lázaro Fernando Carvalho, cometeu ato de corrupção ao oferecer a Koshiyama um carro que teria arrematado em leilão. Segundo o Ministério Público, o veículo foi uma contrapartida a ‘benefícios ilícitos’ ofertados pelo ex-diretor do Detran-SP.

Na avaliação do Ministério Público, Koshiyama praticou ainda lavagem de dinheiro porque teria colocado tal automóvel em nome de sua esposa.

COM A PALAVRA, O DETRAN

A reportagem entrou em contato com a Assessoria de Imprensa do Detran por e-mail. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, KOSHIYAMA

A reportagem tenta contato com o ex-diretor do Detran. O espaço está aberto para manifestação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: