Justiça manda Tocantins indenizar mulher que caiu da maca no hospital e quebrou clavícula

Justiça manda Tocantins indenizar mulher que caiu da maca no hospital e quebrou clavícula

Domingas Gomes de Alencar sofreu fratura na clavícula esquerda, em setembro de 2012, e receberá R$ 5 mil a título de 'danos morais' do governo do Estado, responsável pelo Hospital Regional de Araguaína, onde ela ficou 'internada' no corredor

Luiz Vassallo e Fausto Macedo

18 de julho de 2018 | 12h00

Foto ilustrativa. Crédito: nadisna/ PIXABAY

O governo do Tocantins deverá pagar R$ 5 mil de danos morais a uma mulher que estava internada no Hospital Regional de Araguaína e foi derrubada da maca ao ser transportada para realização de exames, em setembro de 2012 . A decisão é do juiz Roniclay Alves de Morais, do Núcleo de Apoio às Comarcas (Nacom).

Documento

De acordo com o relatório da sentença, Domingas Gomes de Alencar foi colocada em uma maca e, após dois dias aguardando atendimento no corredor do hospital, foi levada para realizar ‘alguns exames’.
Enquanto era transportada, a paciente foi derrubada da maca por funcionários do hospital e, devido à queda, sofreu fratura na clavícula esquerda.

OUTRAS DO BLOG: – Consumidor alega ‘abalo moral’ na Justiça ao descobrir que néctar de morango leva maçã 
+ Justiça manda repatriar a esmeralda gigante de US$ 372 milhões
+ Buffet é condenado por festa sem comida e sem garçons em que noiva desmaiou de stress
+ Consumidora que mordeu pata de gato em linguiça será indenizada
+ ‘Não é homem’, ‘incompetente’, ‘despreparado’

Mesmo após o acidente, ‘a unidade manteve a paciente no corredor, sem os cuidados necessários’. A mulher perdeu parte do movimento do ombro esquerdo.

Ao julgar o caso, o magistrado acatou o pedido de pagamento de indenização por danos morais. “Pelo contido nos autos, é inegável que a parte requerente passou por um sofrimento ao ser derrubada da maca hospitalar, sofrendo com isso lesão na clavícula do lado esquerdo, fato este incontroverso nos autos, conforme se extrai da prova anexada pela própria requerida (…)”, justificou Ronicley Alves de Morais.

O juiz condenou o Estado ao pagamento, a título de danos morais, no valor de R$ 5 mil , incidindo correção monetária a partir da sentença e juros de mora ‘a partir do evento danoso’ – 20 de setembro de 2012.

Tendências: