Justiça manda intimar Eduardo Campos para depor na Lava Jato

Justiça manda intimar Eduardo Campos para depor na Lava Jato

Candidato à Presidência foi arrolado pela defesa de Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobrás

Fausto Macedo

23 de julho de 2014 | 19h05

A Justiça Federal acolheu pedido da defesa do ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás, Paulo Roberto Costa – alvo da Operação Lava Jato –, e mandou intimar o candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB) para depor no processo sobre lavagem de dinheiro supostamente desviado das obras da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco.

A Justiça ainda mandou intimar o ex-ministro Fernando Bezerra (Integração Nacional), também arrolado por Costa.

Foto: Felipe Rau/Estadão

A decisão é do juiz federal Sérgio Moro. Mas ele advertiu sobre o risco da demora na localização das testemunhas. “Na compreensão, será muito difícil a oitiva de referidas testemunhas em período de campanha eleitoral, concorrendo ambos a cargos eletivos, o primeiro presidencial”, assinalou o juiz federal Sérgio Moro.

O juiz destacou que os esclarecimentos pretendidos pela defesa (“os motivos que implicaram no aumento substancial do valor da obra da Refinaria Abreu e Lima”) poderiam ser obtidos de outra forma, “com testemunha de mais fácil inquirição ou com requisição de informações e documentos à Petrobrás”.

Segundo o juiz, “o objeto da ação penal é mais específico, não se perquire aqui os motivos do superfaturamento da refinaria Abreu e Lima, mas sim sobre a suposta lavagem de dinheiro no fluxo de numerário da Petrobrás até os depósitos na empresa MO Consultoria, conforme descrição da denúncia”.

“De todo modo, a bem da ampla defesa, defiro a prova para a oitiva de tais testemunhas. Alerto, porém, que, cumulando a falta de necessidade da oitiva delas com a provável dificuldade de oitiva, aplicarei estritamente o artigo 222 do Código de Processo Penal, no que se refere aos prazos das precatórias.”

Quando Paulo Roberto Costa arrolou Eduardo Campos como testemunha de defesa, a assessoria do candidato presidencial declarou. “Acreditamos que quem está mais capacitado para falar da atuação de Paulo Roberto Costa na Petrobrás são as pessoas que o nomearam e o mantiveram no cargo.”

Em março passado, Campos disse que conhece o ex-diretor da Petrobrás.

Tendências: