Justiça manda indenizar passageiro de cruzeiro que se feriu em show de palhaços

Justiça manda indenizar passageiro de cruzeiro que se feriu em show de palhaços

Desembargadores da 27.ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenaram empresa a pagar R$ 10 mil por danos morais

Leonardo Martins Ribeiro, especial para o Blog

13 de outubro de 2016 | 10h00

reproducao

Foto: Reprodução

A empresa Pullmantur Cruzeiros do Brasil Ltda foi condenada pela 27.ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo a pagar R$ 10 mil por danos morais a um passageiro, Douglas Melzi Molina, 33 anos, que sofreu queda em um navio causada por palhaços que davam espetáculo.

Douglas e a esposa estavam de férias, em janeiro de 2013, e embarcaram para um cruzeiro pelo trajeto Santos (SP)/Armação de Búzios (RJ).

No segundo dia do passeio, durante uma apresentação de palhaços no teatro da embarcação, Douglas foi puxado pelos atores para participar do espetáculo.

“Eu tenho muita vergonha e não queria subir”, disse.

No palco, a cena envolvia uma personagem que queria provocar ciúmes no palhaço. A atriz pulou no colo de Douglas e o palhaço, ao puxá-la pelo braço, fez com que todos caíssem no chão.

Na queda, Douglas bateu com o ombro direito e ouviu um ‘estalo’. Foi para o ambulatório do navio e diagnosticado apenas com uma luxação. A dor permaneceu, o ombrou inchou e Douglas só foi perceber a gravidade do problema quando atendido em um hospital de Mogi das Cruzes (SP), onde foi reexaminado. Foram necessários quase três meses de fisioterapia.

Douglas entrou com ação na Justiça e a decisão da Corte foi favorável a ele. “O padecimento moral revela-se bem evidenciado, já que o autor suportou bem mais que meros aborrecimentos do cotidiano, com notória violação à sua imagem e integridade física”, concluiu a desembargadora Daise Fajardo Nogueira Jacot.

Com a palavra, a Pullmantur Cruzeiros do Brasil Ltda:

A Pullmantur Cruzeiros do Brasil Ltda foi procurada pelas centrais de atendimento que informaram que o contato deveria ser via e-mail. A empresa não retornou o contato.

Notícias relacionadas

Mais conteúdo sobre:

JustiçaPalhaçoCruzeiros