Justiça manda Gol indenizar casal que teve bagagem de casamento extraviada

Justiça manda Gol indenizar casal que teve bagagem de casamento extraviada

Sem as malas, eles tiveram de usar as roupas da viagem na cerimônia; danos morais e materiais vão a R$ 20 mil

Redação

19 Fevereiro 2015 | 17h45

Por Julia Affonso

A Justiça do Distrito Federal condenou a companhia aérea Gol a indenizar em R$ 20 mil um casal que teve a bagagem de casamento extraviada. Sem as malas, eles tiveram de usar as roupas da viagem na cerimônia. A Justiça determinou a indenização por danos materiais, com base na lista do que havia na bagagem,  em R$ 10 mil e por dano moral também em R$ 10 mil.

O casal contou, na ação, que desembarcou no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, no dia anterior à data marcada para a cerimônia. Após o desembarque, a companhia teria informado que a bagagem não seria entregue, pois havia sido desviada. Acompanhados de uma criança de 2 anos, eles deixaram o terminal e foram para Santos, no litoral paulista, onde o casamento foi realizado.

Foto: Leonardo Soares/AE

Foto: Leonardo Soares/AE

Segundo a sentença, “o fato de os consumidores ficarem em cidade distante, na véspera de sua cerimônia de casamento, sem bagagem e, consequentemente, privados de bens pessoais básicos, é suficiente para gerar frustração, angústia e desconforto”.

“Essa situação ultrapassa os meros aborrecimentos do dia-a-dia e é suficiente para violar os direitos da personalidade, ensejando a pretensão indenizatória por danos morais”, decretou a Justiça.

E mais: “Mesmo sendo desnecessária a prova do dano moral, este ficou caracterizado nos autos, pelo tratamento inadequado que receberam os consumidores, considerando que foram obrigados a utilizar as roupas que vestiam na viagem em sua cerimônia de casamento, que ocorreu na manhã seguinte ao desembarque no Aeroporto de Congonhas, na cidade de Santos”, acrescenta o julgador.

COM A PALAVRA, A GOL.

Por meio da assessoria de imprensa, a Gol informou que não comenta ações judiciais.

 

Mais conteúdo sobre:

Direito do ConsumidorTJ-DF