Justiça em São Paulo manda 5 mil armas para Exército

Justiça em São Paulo manda 5 mil armas para Exército

Arsenal, que será em parte redistribuído para as Polícias Militar e Civil, inclui revólveres, pistolas, espingardas, fuzis e também facões apreendidos e vinculados a processos criminais já concluídos

Mateus Coutinho e Fausto Macedo

09 de fevereiro de 2017 | 10h36

armas

O Tribunal de Justiça de São Paulo encaminhou ao Exército um arsenal de 2.096 armas de fogo e mais 2.880 armas brancas. Desse total, 1.066 armas estavam estocadas no 1.º Tribunal do Júri do Complexo Judiciário Mário Guimarães – Fórum Criminal da Barra Funda – e o restante no Departamento de Inquéritos Policiais (Dipo).

A remessa continha lotes de armamentos vinculados a processos que já foram concluídos.

A retirada do arsenal é uma antiga aspiração dos juízes. A meta do presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Paulo Dimas de Bellis Mascaretti, e do corregedor-geral da Justiça, Manoel de Queiroz Pereira Calças, é atingir todos os fóruns do Estado.

As armas terão destinos diversos. As brasonadas e/ou numeradas serão doadas à Polícia Militar e à Polícia Civil; as demais, após conferência, serão colocadas em esteira rolante para serem prensadas e inutilizadas. Concluído esse processo, são encaminhadas a uma indústria metalúrgica para que sejam destruídas em um forno de alta potência.

Os estudos e a logística para a remessa das armas ao Exército estão sendo coordenados pelo desembargador Edison Aparecido Brandão, presidente da Comissão de Segurança Pessoal e de Defesa das Prerrogativas dos Magistrados.

Por questão de segurança, as remoções foram feitas de acordo com o previsto nos Provimentos 18/11 da Corregedoria Geral da Justiça e 1924/11, do Conselho Superior da Magistratura.

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

TJSPExército

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.