Justiça Eleitoral suspende propaganda do PTB que associou esquerda à pedofilia

Justiça Eleitoral suspende propaganda do PTB que associou esquerda à pedofilia

Decisões liminares foram tomadas pelos Tribunais Regionais Eleitorais em São Paulo e em Santa Catarina a pedido do PSOL

Rayssa Motta e Fausto Macedo

11 de março de 2022 | 22h01

O deputado estadual catarinense Kennedy Nunes, presidente do PTB-SC, em propaganda suspensa. Foto: Reprodução

A Justiça Eleitoral de São Paulo e a Justiça Eleitoral de Santa Catarina proibiram nesta sexta-feira, 11, os respectivos diretórios estaduais do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) de veicularem uma propaganda que associou a ideologia de esquerda à pedofilia.

Documento

“A esquerda defende que pedofilia é uma doença. Agora acharam uma nova tipificação, dizendo que é uma opção sexual. Pra nós, do PTB, pedofilia é crime e crime hediondo. Isto está aqui garantido em nosso estatuto”, diz a publicidade (assista abaixo).

As liminares dos desembargadores Silmar Fernandes, do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP), e Leopoldo Bruggemann, do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC), valem até o julgamento do processo em plenário.

Na avaliação de Fernandes, a propaganda partidária ‘ultrapassou os limites legais, uma vez que transmite a ideia de que os partidos de esquerda toleram a pedofilia’.

“Desse modo, a fim de se evitar prejuízo ao partido representante, com a divulgação de conteúdo de tamanha gravidade, entendo razoável a concessão de liminar, para que o representado seja proibido de veicular o trecho impugnado da inserção”, escreveu.

O desembargador Leopoldo Bruggemann viu ‘desvirtuamento da propaganda partidária’.

Os processos são movidos pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que acusa o PTB de fake news.

COM A PALAVRA, O PTB-SP 

A reportagem entrou em contato com a assessoria do diretório do PTB em São Paulo e aguarda resposta.

COM A PALAVRA, O PTB-SC

A reportagem busca contato com a assessoria do diretório do PTB em Santa Catarina. O espaço está aberto para manifestação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.