Justiça Eleitoral dá direito de resposta a Marta contra Doria

Justiça Eleitoral dá direito de resposta a Marta contra Doria

Peemedebista terá um minuto nas inserções do tucano que acusou ex-prefeita de não ter entregue nenhuma Unidade Básica de Saúde (UBS) em sua primeira gestão (2001/2004)

Mateus Coutinho e Pedro Venceslau

05 de setembro de 2016 | 14h06

montagemdoriamarta

João Doria Jr (esq) e Marta Suplicy (dir). Foto: Estadão

O juiz eleitoral Sergio Costa Leite, da 1ª Zona Eleitoral da capital paulista, deu direito de resposta à candidata à Prefeitura de São Paulo pelo PMDB Marta Suplicy nas propagandas eleitorais do candidado do PSDB João Doria veiculadas no rádio e na TV.

A decisão atende pedido da campanha peemedebista com relação a afirmação feita pelo tucano, de que Marta não teria entregue nenhuma Unidade Básica de Saúde (UBS) em sua gestão como prefeita de São Paulo, de 2001 a 2004, quando Marta era filiada ao PT.

“Reconheço como irregular a propaganda exibida pelos representados nos blocos de televisão da noite do dia 01.09.2016 (20h30min) e tarde do dia 02.09.2016 (13h), por trazer informação falsa, relativa à não entrega pela representante Marta de qualquer Unidade Básica de Saúde durante sua gestão na Prefeitura de São Paulo, restando vedadas novas exibições”, afirma o juiz que também considerou irregulares as duas inserções da campanha tucana no rádio no dia 2.

A decisão estabelece ainda que a resposta de Marta deverá ter um minuto nas inserções do tucano no rádio e na TV. Com a decisão, a campanha de Marta tem 72h para encaminhar às emissoras sua resposta a ser veiculada no tempo de propaganda de Doria. A campanha do tucano já informou que vai recorrer da decisão ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo.

À Justiça, a campanha de Marta encaminhou documentos mostrando que ela teria feito ao menos uma UBS quando foi prefeita e afirmou ainda que ela teria entregue 57 UBS em sua gestão. “Fiquei muito satisfeita de ter ganho este um minuto de resposta (…) Quando você faz campanha, é para o eleitor poder avaliar as propostas e os candidatos. Colocar mentira não é algo que ajude”, disse Marta durante visita ao hospital Sorocabana, na região da Lapa, zona Oeste da capital.

COM A PALAVRA, A CAMPANHA DE JOÃO DORIA JR:

“Sobre o direito de resposta concedido à candidata Marta Suplucy, a campanha de João admite que errou ao afirmar que ela não entregou UBSs quando prevista à São Paulo. Na verdade ela não entregou novos leitos, como registrado pela a imprensa no final do seu mandato.”

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ANDERSON POMINI, QUE DEFENDE DORIA:

“O fato de que a candidata Marta não teria construído ou entregue nenhuma UBS durante sua primeira gestão não é sabidamente inverídico, conforme entendeu o ilustre Juiz Eleitoral, pois demanda no mínimo investigações, razão pela qual recorreremos ao TRE”.

Tudo o que sabemos sobre:

Justiça EleitoraleleiçõesTRE-SP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.