Justiça do Rio aceita denúncia contra Crivella, que vira réu em processo do ‘QG da Propina’

Justiça do Rio aceita denúncia contra Crivella, que vira réu em processo do ‘QG da Propina’

Ex-prefeito do Rio e outros 25 acusados vão responder pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa

Rayssa Motta

04 de fevereiro de 2021 | 07h54

A Justiça do Rio aceitou denúncia contra o ex-prefeito da capital, Marcelo Crivella (Republicanos), que agora virou réu no processo aberto a partir das investigações do ‘QG da Propina’. Ele vai responder pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Crivella, que foi derrotado nas eleições municipais e deixou a prefeitura no fim de 2020, é acusado pelo Ministério Público do Estado de comandar um esquema de liberação de pagamentos a credores do executivo municipal e direcionamento de licitações em troca de propina.

Além do ex-prefeito, outras 25 pessoas também foram denunciadas e agora são réus no mesmo processo. Entre elas, o empresário Rafael Alves, apontado como o principal operador financeiro da organização; seu irmão Marcelo Alves, ex-presidente da Riotur; o ex-senador Eduardo Lopes (Republicanos); o empresário Arthur Soares, o ‘Rei Arthur’, empresário de transportes no Rio; Mauro Macedo, primo e ex-tesoureiro das campanhas de Crivella; e o marqueteiro Marcelo Faulhaber.

A decisão é da juíza Juliana Benevides, da 1ª Vara Criminal Especializada de Combate ao Crime Organizado. O despacho foi publicado na quarta-feira, 3.

“A denúncia vem lastreada de elementos informativos que configuram justa causa, consubstanciando indícios de autoria a respaldar o seu recebimento, ressaltando-se que não há análise de mérito nesta fase processual”, escreveu a juíza.

O ex-prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella. Foto: Gabriela Biló / Estadão

A denúncia foi subsidiada por mensagens extraídas dos celulares dos investigados, apreendidos no curso do inquérito, planilhas, cheques, fotografias e prints de telas de computadores, além dos relatos prestados pelo doleiro Sérgio Mizrahy em sua colaboração premiada. A delação foi o ponto de partida das investigações. O doleiro, que foi preso preventivamente no âmbito da Operação ‘Câmbio, desligo’, desdobramento da Lava Jato do Rio de Janeiro em 2018, detalhou o funcionamento do suposto esquema criminoso envolvendo membros da prefeitura, empresários e pessoas físicas e jurídicas usadas como ‘laranjas’.

Crivella foi preso preventivamente em uma operação conjunta da Polícia Civil e do Ministério Público do Rio em dezembro, nove dias antes de encerrar o mandato único, sob suspeita de operar o suposto ‘QG da Propina’ que teria sido instalado na prefeitura do Rio. Após ser encaminhado ao Presídio de Benfica, ele foi beneficiado por uma liminar expedida pelo presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins, e colocado em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica. Desde então, o ex-prefeito está proibido de manter contato com outros denunciados e impedido de acessar telefones, computadores e tablets apreendidos em seu apartamento.

COM A PALAVRA, A DEFESA DO EX-PREFEITO MARCELO CRIVELLA

A defesa de Marcelo Crivella disse que vai se manifestar após tomar ciência de decisão.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE MARCELO FAULHABER

“A acusação a Marcello Faulhaber é de tão simplesmente ter apresentado durante o segundo turno da campanha de Crivella, um empresário a pessoa responsável pelas doações da campanha – a pedido desta última e sem ter recebido qualquer vantagem pessoal ou recurso financeiro por este ato. Marcello, como a própria denúncia do MP descreve, não participou de nenhuma atividade ilícita e não recebeu qualquer benefício ou vantagem pessoal derivada do QG da Propina que supostamente funcionou durante a administração Crivella. Tendo em vista que o único ato descrito foi durante o processo eleitoral e que o valor relatado foi doado a campanha, o Ministério Público e a Justiça Estadual não podem apreciar a matéria. A defesa irá recorrer”.

COM A PALAVRA, A DEFESA DE RAFAEL ALVES

“Rafael Alves é vítima de excessos do Ministério Público, que escreve o que quer, mas não tem argumento de autoridade. Não há comprovação destas acusações, que serão cabalmente afastadas no curso do processo”.

COM A PALAVRA, AS DEMAIS DEFESAS

A reportagem busca contato com as defesas dos demais citados. O espaço está aberto para manifestação (rayssa.motta@estadao.com).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.