Justiça do Amazonas manda a júri filho de ex-deputado e mais dois por morte de pistoleiro ‘Luís Pulga’ que se negou a matar juíza

Justiça do Amazonas manda a júri filho de ex-deputado e mais dois por morte de pistoleiro ‘Luís Pulga’ que se negou a matar juíza

Redação

22 de novembro de 2020 | 17h54

O Tribunal de Justiça do Amazonas. Foto: Google Maps/Reprodução

O juiz George Hamilton Lins, da 1ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus, mandou a júri Givanil Freitas Santos, Jair Martins da Silva e Raphael Wallace Saraiva de Souza, acusados de envolvimento na morte de Luís João Macedo de Souza, o ‘Luís Pulga’. O pistoleiro foi assassinado na noite de 3 de abril de 2008 em um açougue na zona Leste de Manaus.

Os três réus já tinham sido pronunciados pelo crime em 2015, mas a defesa recorreu da sentença no Tribunal de Justiça do Amazonas. No dia 18 de maio deste ano, os desembargadores a 1ª Câmara Criminal da Corte anularam a sentença de pronúncia, remetendo o processo novamente à 1ª Vara do Tribunal do Júri. Com a nova sentença, assinada no último dia 13, o julgamento deverá ser pautado para o próximo ano.

As informações foram divulgadas pelo TJAM.

De acordo com as investigações, Raphael Wallace Souza e seu pai, o então deputado estadual Francisco Wallace Cavalcante de Souza (falecido), teriam cogitado o assassinato da juíza federal Jaíza Fraxe, em razão de ter decretado a prisão do coronel da Polícia Miliar do Estado do Amazonas Felipe Arce e de outras pessoas na chamada ‘Operação Centurião’, prejudicando os interesses da ‘quadrilha criminosa da qual faziam parte’.

Raphael e Wallace teriam então pedido ao pistoleiro ‘Luiz Pulga’ que matasse a magistrada. Ele recusou o serviço, o que motivou uma discussão com Raphael, segundo os autos. O filho do ex-deputado teria ainda voltado a procurar ‘Luiz Pulga’ repetindo a proposta. No entanto, o pistoleiro teria recusado novamente a proposta, dizendo ainda que, se o filho do ex-deputado insistisse no plano, delataria o mesmo ao Ministério Público Federal.

Inconformado com a recusa e preocupado com a ameaça de ser denunciado ao MPF, Raphael teria contratado Juarez dos Santos Medeiros para matá-lo. De acordo com as investigações, ‘Luiz Pulga’ foi abordado por Jair Martins, que o conduziu a um açougue no bairro Coroado, onde acabou sendo assassinado.

COM A PALAVRA, AS DEFESAS

A reportagem busca contato com as defesas dos pronunciados. O espaço está aberto para manifestações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.