Justiça do Acre dá ‘semana de beleza’ a mulheres vítimas da grande enchente

Justiça do Acre dá ‘semana de beleza’ a mulheres vítimas da grande enchente

Corte de cabelo, hidratação, escova e maquiagem amenizam a dor da perda do lar; Rio Branco, a capital, enfrenta pior cheia em 132 anos

Redação

13 de março de 2015 | 10h34

Por Julia Affonso

Em meio às chuvas implacáveis e as cheias do rio Acre que deixaram submersa boa parte da capital Rio Branco, o Tribunal de Justiça do Estado encontrou um jeito de amenizar a angústia das famílias desabrigadas. Em homenagem ao Dia Internacional das Mulheres, comemorado no domingo, 8, o TJ do Acre fez durante toda a semana atendimentos de beleza para mulheres vítimas da grande enchente.

 

O Parque de Exposições Marechal Castelo Branco, na capital, recebeu exclusivamente mulheres que tiveram de deixar suas casas. Os atendimentos, que terminam nesta sexta-feira, 13, incluíram corte de cabelo, hidratação, escova e maquiagem.

Milhares de famílias, no Estado do Acre, foram desalojadas ou desabrigadas pelo aumento do nível do Rio Acre em 2015. Rio Branco chegou a registrar a maior cheia em 132 anos, no início do mês.

Desde o início das enchentes, duas pessoas morreram. Um idoso foi eletrocutado e uma mulher morreu afogada. Em 15 abrigos públicos da cidade estão 2.200 pessoas que foram desalojadas ou desabrigadas. No pior momento da cheia, 3.014 pessoas se refugiaram em 29 abrigos.

Nesta sexta-feira, 13, o nível do Rio na capital chegou a 16,20 metros, 2,20 metros acima da cota de transbordamento. Em 4 de março, o rio Acre registrou a maior cheia da história na cidade, com 18,40 metros. Rio Branco continua em estado de calamidade pública.

Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura da cidade, 24 bairros ainda estão alagados. Rio Branco tem 212 bairros e chegou a ter 53 deles submersos.