Justiça diz não à candidatura do ‘deputado-presidiário’ Celso Jacob

Justiça diz não à candidatura do ‘deputado-presidiário’ Celso Jacob

Ministério Público Eleitoral no Rio impugnou emedebista que ficou famoso por frequentar a Câmara de dia e a Papuda à noite

Redação

20 de setembro de 2018 | 17h03

reso na Papuda, Celso Jacob (PMDB-RJ) trabalha normalmente no Congresso Foto: Dida Sampaio/Estadão

A partir de impugnação proposta pela Procuradoria Regional Eleitoral, o Tribunal Regional Eleitoral no Rio negou, por unanimidade, o registro da candidatura a deputado federal do ‘deputado-presidiário’ Celso Jacob (MDB). Ele está inelegível pela Lei da Ficha Limpa (LC 135/2010) – a norma estabelece a inelegibilidade por oito anos a condenados em órgãos colegiados, como o Supremo Tribunal Federal e o Tribunal de Contas do Estado do Rio, que já condenaram o candidato.

Sem quórum, Conselho de Ética não consegue votar casos de deputados presos

Jacob ficou famoso em 2017 quando, por ordem judicial, dava expediente de dia na Câmara, mas à noite tinha de se recolher à Penitenciária da Papuda, em Brasília, para cumprimento de pena de 7 anos e 2 meses a ele imposta pela Primeira Turma do Supremo pelos crimes de falsificação de documento público e dispensa indevida de licitação para construção de creche na época em que exerceu o cargo de prefeito de Três Rios (RJ), em 2002.

Conselho escolhe relatores de pedidos de cassação de Vieira Lima, Maluf, Jacob e Rodrigues

Já o TCE reprovou as contas do candidato também na ocasião em que ele era prefeito de Três Rios e o condenou por ato doloso de improbidade ao ‘não prestar devidamente contas das subvenções para a liga de escolas de samba da cidade e para a Fundação Educacional Três Rios’.

Conselho de Ética instaura processo por quebra de decoro contra Maluf, Jacob e João Rodrigues

O Tribunal Eleitoral concedeu a liminar pedida pela Procuradoria proibindo Celso Jacob de receber verbas públicas do fundo de campanha, de usar seu tempo de rádio e TV e praticar atos de campanha.

TJ nega a Jacob retorno à Câmara e Maia terá que decidir se convoca suplente

“Há previsão de gastos de R$ 2,5 milhões em dotação da União para a campanha do candidato, quantia empregada de forma infrutífera durante o pleito, à vista do inevitável indeferimento do registro de candidatura”, argumentou o procurador regional eleitoral Sidney Madruga.

COM A PALAVRA, CELSO JACOB

Por meio de sua chefia de gabinete, o deputado Celso Jacob declarou.
“Em relação à decisão do TRE-RJ desta quarta-feira (20/9), que indeferiu seu registro de candidatura, o deputado federal Celso Jacob (MDB-RJ) informa que irá recorrer da decisão e está confiante na revisão da decisão nos tribunais superiores. Esclarece, ainda, que está sendo impedido de se candidatar por ter beneficiado pais e filhos com a entrega de uma creche quando prefeito de Três Rios, e que confia na revisão criminal da sua sentença condenatória no Supremo Tribunal Federal (STF).”

Mais conteúdo sobre:

Celso Jacob