Justiça decreta prisão temporária do suspeito de matar a tiros policial federal em adega na zona leste de São Paulo

Justiça decreta prisão temporária do suspeito de matar a tiros policial federal em adega na zona leste de São Paulo

Lotado na Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros, Renato Rewai Paraná e Silva tinha 41 anos e morreu após ter sido atingido por quatro disparos; homem apontado como autor do crime está foragido

Rayssa Motta

09 de dezembro de 2020 | 15h32

A Justiça de São Paulo decretou a prisão temporária do homem suspeito de matar a tiros o policial federal Renato Rewai Paraná e Silva, de 41 anos, na madrugada do último domingo, 6. O crime aconteceu em uma adega no bairro de São Mateus, na zona leste da capital paulista. Desde então, ele está foragido.

Segundo informações registradas no boletim de ocorrência, testemunhas que estavam no estabelecimento contaram em depoimento que o policial e o dono da Adega Empório se desentenderam por causa do preço de uma bebida. Durante a discussão, o agente teria sacado uma arma, mas uma terceira pessoa atirou contra ele, que acabou atingido por quatro disparos.

O policial federal Renato Rewai Paraná e Silva foi morto a tiros em adega na zona leste de São Paulo. Foto: Reprodução

Silva chegou a ser levado para o hospital Santa Marcelina de Itaquera, mas lá foi declarada sua morte. O policial era lotado na Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros.

Já o dono do estabelecimento foi levado à delegacia para prestar informações. De acordo com o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), a arma do crime, um revólver com numeração raspada, pertencia a ele. Além disso, as imagens das câmaras de segurança da distribuidora de bebidas não foram entregues às autoridades. Após passar por um interrogatório, o comerciante foi preso em flagrante sob suspeita de participação no crime, posse ilegal de arma de fogo e fraude processual.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.