Justiça decreta prisão preventiva de comerciante que atirou no vice-prefeito de Atibaia

Justiça decreta prisão preventiva de comerciante que atirou no vice-prefeito de Atibaia

Júnior Humberto de Oliveira, conhecido como Juninho do Hot Dog, é investigado pela tentativa de homicídio do vice-prefeito Fabiano Batista de Lima, que foi atingido na perna, mas conseguiu fugir

Redação

14 de março de 2022 | 21h43

Vice-prefeito de Atibaia foi baleado na perna após agredir comerciante. Foto: Reprodução

A Justiça de Atibaia, município de 145 mil habitantes no interior de São Paulo, determinou a prisão preventiva do comerciante Júnior Humberto de Oliveira, conhecido como Juninho do Hot Dog, em investigação pela tentativa de homicídio do vice-prefeito Fabiano Batista de Lima (PL).

A prisão em flagrante foi convertida em preventiva em uma audiência de custódia realizada nesta segunda-feira, 14. O advogado Domingos Gerage, que representa o comerciante, entrou com um habeas corpus para que ele seja colocado em liberdade.

O vice-prefeito foi baleado no último domingo, 13, depois de agredir o comerciante de surpresa. A cena foi registrada por uma câmera de segurança (assista abaixo). O vídeo mostra o momento em que o político chega por trás do homem e soca o rosto dele. Após ser agredido, Juninho pega uma arma e atira diversas vezes. Oliveira foi atingido na perna, mas conseguiu fugir.

O motivo para a briga teria sido um vídeo publicado pelo comerciante nas redes sociais acusando o político de usar o restaurante aberto recentemente com a esposa para cometer fraudes. Juninho é dono de uma página que, segundo a própria descrição, reúne ‘conteúdo polêmico, denúncias, notícias e coisas engraçadas’. Ele se autointitula como ‘fiscal do povo’.

Após o episódio, ainda do hospital, o vice-prefeito relatou ter sofrido ‘ataques contínuos nas redes sociais’ promovidos pelo comerciante. “Emocionalmente abalado com os ataques gratuitos disparados contra a minha esposa, fui realmente tirar satisfação com ele”, escreveu em seu perfil no Instagram.

O comerciante também usou as redes sociais para comentar o episódio. Em transmissão ao vivo, antes da chegada da Polícia Militar, ele fez uma transmissão ao vivo contando que havia atirado contra o vice-prefeito em legítima defesa.

“Ele veio para cima de mim, não teve o que fazer. Não sei o que vai acontecer, se eu vou ser preso. Tentou vir aqui me matar. Não sei se ele está ferido. Tá bom pessoal, acabei de chamar a polícia aqui. Ele me esfaqueou no braço, eu tentei segurar a faca, só que eu vi que ele estava com muita fúria, tentou me matar na garagem”, diz Júnior em um trecho do vídeo.

O vice-prefeito, por sua vez, nega que tenha tentado esfaquear o comerciante. “É uma grande mentira que estava com faca nas mãos, versão criada por ele para tentar se defender de um ato tão grave contra a minha integridade”, disse nas redes.

O caso está sendo investigado pela Polícia Civil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.