Justiça decide que professores não podem ser punidos por faltas durante greve

Justiça decide que professores não podem ser punidos por faltas durante greve

Liminar dada à Apeoesp proíbe Fazenda do Estado de aplicar penalidades administrativas, como demissões, dispensas e rescisões de contratos temporários

Julia Affonso e Luiz Vassallo

11 de julho de 2017 | 12h21

Foto: Fábio Leite / Estadão

A juíza Maria Gabriella Pavlópoulos Spaolonzi, da 13.ª Vara da Fazenda Pública da Capital, concedeu liminar na sexta-feira, 7, pleiteada pelo Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) para que a Fazenda do Estado deixe de consignar faltas e aplicar penalidades administrativas – demissões, dispensas e rescisões de contratos temporários – aos professores que participaram do movimento grevista ocorrido entre 28 e 31 de março deste ano.

+ Professores da rede estadual de São Paulo aprovam greve

As informações foram divulgadas pela Assessoria de Comunicação Social do Tribunal de Justiça de São Paulo – Ação Civil Publica 1028196-08.2017.8.26.0053

Na decisão, a magistrada determina ainda a suspensão de eventuais penalidades aplicadas e de rescisões contratuais dos docentes contratados temporariamente.

Consta dos autos que os professores que aderiram ao movimento ‘relataram ameaças praticadas por diretores de escolas dando conta de que os dias considerados como faltas relacionadas à greve seriam utilizados como fundamento para aplicação de penalidades disciplinares’.

“Também há informações sobre diversos procedimentos administrativos instaurados para a rescisão contratual de professores contratados temporariamente.”

Em sua decisão, a magistrada afirmou que a jurisprudência ‘é pacífica no que diz respeito à constitucionalidade do movimento grevista e que estão presentes os requisitos legais para a concessão da tutela de urgência’.

“A mera possibilidade de aplicação de penalidades administrativas e disciplinares aos que aderem ao movimento grevista compromete o próprio direito de greve. O artigo 37, inciso VII, da Constituição Federal, deixa fora de dúvida que a greve é fato legal, direito do trabalhador na luta de suas reivindicações.”