Justiça de SP suspende ações arbitrais que poderiam levar a prejuízo de R$ 166 bi para União

Justiça de SP suspende ações arbitrais que poderiam levar a prejuízo de R$ 166 bi para União

Dois procedimentos arbitrais foram instaurados pela B3 em 2017 a pedido de acionistas minoritários da Petrobrás, solicitando que a União aporte recursos na empresa para reparar a perda de valor da estatal durante as investigações da Lava Jato

Rafael Moraes Moura

28 de abril de 2021 | 20h27

Logo da Petrobrás na sede da estatal, no Rio de Janeiro. Foto: Fábio Motta/Estadão

A Justiça Federal de São Paulo decidiu nesta quarta-feira (28) suspender a sentença proferida em duas ações arbitrais que poderiam provocar um prejuízo de R$ 166 bilhões aos cofres da União, segundo estimativas do governo. O processo poderia levar a União a ser condenada a ressarcir a Petrobrás por danos sofridos pela estatal que foram alvo de investigação no âmbito da Operação Lava Jato.

Dois procedimentos arbitrais foram instaurados pela B3 em 2017 a pedido de acionistas minoritários da Petrobrás, solicitando que a União aporte recursos na empresa para reparar a perda de valor da estatal durante as investigações do bilionário esquema de corrupção na empresa.

Responsável pela defesa de interesses do governo, a Advocacia-Geral da União (AGU) conseguiu uma vitória na Justiça Federal de São Paulo, ao sustentar que a União não deve participar de procedimentos arbitrais que envolvem acionistas minoritários da companhia. Isso porque a criação de procedimentos de arbitragem exige que as duas partes concordem com as cláusulas do compromisso arbitral, o que não ocorreu nos casos.

A Fundação Movimento Universitário de Desenvolvimento Econômico e Social (Mudes) e Alejandro Constantino Stratiotis alegaram que a União seria vinculada ao procedimento com base no Estatuto Social da Petrobrás, argumento rechaçado pela AGU, que conseguiu convencer a Justiça Federal de São Paulo de que a União não se vincula ao compromisso arbitral.

De acordo com o artigo 58 do Estatuto da Petrobrás, “deverão ser resolvidas por meio da arbitragem as disputas ou controvérsias que envolvam a companhia, seus acionistas, os administradores e conselheiros fiscais”.

“O dispositivo regulamentar não parece, em uma primeira análise, possuir a extensão atribuída pela Câmara Arbitral de modo a sujeitar o ente público à arbitragem sem seu expresso consentimento”, observou a juíza federal Diana Brunstein.

“Pretender, por meio de juízo arbitral, a responsabilização da União pela indicação do presidente e respectivos diretores da Petrobrás é dar ao Estatuto contornos que não possui. Poder-se-ia aplicar a disposição estatutária para dirimir uma indicação contemporânea não aceita pelos demais acionistas, mas responsabilizar a controladora, com base em cláusula arbitral, por atos de gestão de grupo diretivo indicado foge do escopo pactuado”, concluiu a juíza.

A juíza ainda destacou que a lei 10.303, de 2011, que trata sobre as sociedades por ações, facultou ao estatuto da sociedade estabelecer que as divergências entre acionistas e a companhia, ou entre acionistas controladores e os acionistas minoritários, poderão ser solucionados por arbitragem, nos termos em que especificar.

“Não se encontra nessa previsão a discussão sobre a má gestão praticada pelos indicados pela acionista controladora, tal situação não está inserida em questões inerentes ao pacto social estando fora do alcance do juízo arbitral”, concluiu Diana.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.