Justiça de Mato Grosso manda R$ 560 mil da Operação Ararath para combate ao coronavírus

Justiça de Mato Grosso manda R$ 560 mil da Operação Ararath para combate ao coronavírus

Recursos serão destinados ao Hospital Universitário Júlio Muller para aquisição de luvas, máscaras, EPIs, medicamentos, exaustores e respiradores

Redação

23 de março de 2020 | 12h02

O Hospital Universitário Júlio Muller em Mato Grosso. Foto: Google Maps

A Justiça Federal em Mato Grosso determinou que R$ 566.822,36 recuperados por meio da Operação Ararath sejam destinados ao Hospital Universitário Júlio Muller (HUJM), referência no Estado para o combate ao novo coronavírus. O valor será utilizado para a aquisição de luvas, máscaras, capotes, EPIs, medicamentos, exaustores e respiradores, e também para adequações dos espaços físicos necessárias para receber usuários infectados.

A decisão acolhe manifestação do Ministério Público Federal e solicitação da Superintendência do HUJM. No parecer enviado à Justiça, a Procuradoria destacou a relevância do pedido do hospital, tanto pela Declaração de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional. como pela ‘ausência de instrumentos básicos para o combate e controle da covid-19 na rede pública de saúde em Mato Grosso’.

As informações foram divulgadas pela Assessoria de Imprensa da Procuradoria.

A Operação Ararath foi aberta em 2013 para desarticular suposta organização criminosa que lavava dinheiro de propinas e atingiu seu ápice em 2017, quando o ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa (PMDB), que entregou vídeos que mostram políticos do Estado fazendo filas para pegar maços de dinheiro em seu gabinete no Palácio Paiaguás. A investigação foi posteriormente desmembrada em cinco inquéritos, um deles sobre suposta compra e venda de vagas no Tribunal de Contas de Mato Grosso no qual o ex-ministro da agricultura Blairo Maggi foi denunciado.

Os R$ 560 mil recuperados por meio da operação serão depositados em uma conta judicial para que o Hospital Universitário Júlio Muller comece a adquirir os equipamentos e medicamentos solicitados.

A superintendência do hospital deverá prestar contas dos gastos, apresentando nota fiscal dos produtos e atestar o recebimento e entrega do produto/material, inclusive com imagens. Também deverá ser apresentado o registro da inserção dos produtos no patrimônio da unidade hospitalar e indicada a conta bancária do fornecedor do produto para que seja realizada a transferência judicial.

Além disso, a cada 30 dias, durante o prazo de seis meses, o HUJM terá de apresentar à Procuradoria informações sobre o número de atendimentos realizados no escopo do projeto de prevenção e combate à pandemia da Covid-19 em Mato Grosso.

A Procuradoria indicou ainda que outros valores recuperados por meio das delações no âmbito da Operação Ararath também serão utilizados para suprir as necessidades, principalmente na área da saúde, no estado de Mato Grosso, neste momento de pandemia.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.