Justiça condena Riachuelo a indenizar família que ‘não passou’ por sensor de segurança

Justiça condena Riachuelo a indenizar família que ‘não passou’ por sensor de segurança

Equipamento apitou quando clientes saíram de loja; eles alegaram constrangimento e deverão receber R$ 8 mil

Redação

27 de janeiro de 2015 | 14h02

Por Julia Affonso

A Justiça do Ceará condenou a Loja Riachuelo a pagar uma indenização de R$ 8 mil para uma família que teria sofrido constrangimento ao passar pelo sensor de segurança da empresa. Um servidor público e três mulheres, da mesma família, receberão R$ 2 mil, cada um, por danos morais.

Na ação, os clientes contaram que, em dezembro de 2010, fizeram compras na loja, em um shopping de Fortaleza e ao sair do estabelecimento com as sacolas, passaram pela porta e foram surpreendidos com o alarme de segurança. A família disse ainda que teria sido obrigada por funcionários da empresa a exibir as mercadorias compradas e as notas fiscais.

A abordagem foi esclarecida após o gerente da loja constatar que o operador de caixa havia esquecido de remover o lacre de segurança das roupas. Após o incidente, a família registrou boletim de ocorrência e ajuizou ação com pedido de indenização por danos morais. Segundo os clientes, a situação gerou perturbação e frustração, ‘causados pelo descuido, descaso e despreparo dos funcionários da empresa’.

Sensor apitou quando família passou com sacola de compras na Riachuelo. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Sensor de segurança apitou quando família passou com sacola de compras na Riachuelo. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Na contestação, a Riachuelo disse que os clientes foram abordados de forma adequada, sem qualquer abalo psíquico. O juiz Cláudio Augusto Marques de Sales, responsável pela decisão, afirmou que a Riachuelo não comprovou o que disse. Segundo o processo, pessoas que transitavam e trabalhavam nas imediações da loja presenciaram o fato.

“Em relação à mensuração do quantum devido, tenho que este merece ser tal que atenda ao dúplice caráter de compensar as vítimas e, ao mesmo tempo, penalizar o ofensor, visando-se, assim, obstar a reincidência, razão pela qual arbitro o quantum indenizatório pelos danos morais suportados pelo autor em R$ 2 mil para cada requerente, perfazendo um total de R$ 8 mil”.

COM A PALAVRA, A RIACHUELO.

A assessoria de imprensa da marca informou que não houve constrangimento e vai recorrer da decisão.

Tudo o que sabemos sobre:

RiachueloTJ-CE