Justiça condena líder de protesto que provocou morte de motorista em rodovia de Encruzilhada

Justiça condena líder de protesto que provocou morte de motorista em rodovia de Encruzilhada

1.ª Vara de Vitória da Conquista, na Bahia, concluiu que Valdenio Prado do Vale, ex-presidente da Associação de Emancipação do Distrito de Vila do Café, 'expôs o transporte público a perigo, uma vez que a obstrução da pista poderia gerar acidentes'

Pedro Prata

21 de agosto de 2019 | 08h25

A Justiça Federal condenou o ex-presidente da Associação de Emancipação do Distrito de Vila do Café por organizar, em 2014, protesto que culminou na morte de um motorista na BR 116, próximo ao município de Encruzilhada, na Bahia, a 607 quilômetros de Salvador.

O ex-presidente da entidade determinou a interrupção da rodovia e, mesmo ciente do perigo que a paralisação poderia ocasionar, ‘decidiu por continuar com a conduta’. Foto: Pixabay/@12019

Valdenio Prado do Vale, o ‘Ney’, foi condenado pelo crime de atentado contra a segurança de outro meio de transporte que resultou em lesão corporal ou morte, conforme previsto no Código Penal (art. 262 e 263).

Na sentença, o juiz federal João Batista de Castro Júnior, da 1.ª Vara da Subseção Judiciária de Vitória da Conquista, considerou que Valdenio ‘expôs o transporte público a perigo, uma vez que a obstrução da pista poderia gerar acidentes’.

“A culpabilidade do réu é exacerbada, uma vez que foi alertado pelos policiais rodoviários federais acerca dos riscos que o fechamento da rodovia poderia ocasionar e mesmo assim decidiu prosseguir com os protestos, elemento a trazer maior reprovabilidade à ação.”

A pena foi determinada em cinco anos de prisão e pagamento de multa de R$80 mil para a reparação de danos morais.

Valdenio organizou a manifestação contra um veto presidencial que impediu a emancipação do distrito de Vila do Café.

No dia do acidente, ele foi alertado pelos policiais rodoviários federais sobre os riscos do bloqueio da rodovia, porém, mesmo assim, seguiu com o protesto.

Por volta das 14h, ocorreu o acidente fatal com o motorista, Natal Reginaldo Alves.

A Justiça atendeu a uma denúncia do Ministério Público Federal, na qual destacou que o ex-presidente da entidade determinou a interrupção da rodovia e, mesmo ciente do perigo que a dimensão da paralisação poderia ocasionar, ‘decidiu por continuar com a conduta’.

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem busca contato com a defesa de Valdenio Prado do Vale, o ‘Ney’. O espaço está aberto para manifestação. (pedro.prata@estadao.com)

Tudo o que sabemos sobre:

acidente rodoviárioJustiça Federal

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: