Justiça condena homem que se irritou e matou porque retrovisor de carro esbarrou em seu braço

Justiça condena homem que se irritou e matou porque retrovisor de carro esbarrou em seu braço

Segundo processo no fórum de Santa Fé do Sul, interior paulista, acusado teria ficado nervoso durante uma carreata política às vésperas das eleições municipais de 2016, e atirou na vítima, que morreu, e no filho dela

Pepita Ortega

07 de junho de 2019 | 14h03

Retrovisor. Foto: Pixabay

O Tribunal do Júri de Santa Fé do Sul, no interior de São Paulo, condenou um réu pelo pelo assassinato de um homem e tentativa de homicídio contra seu filho após uma discussão em carreata política às vésperas da eleição municipal de 2016. O condenado deverá cumprir 46 anos e oito meses de prisão em regime inicial fechado.

As informações foram divulgadas pelo site do Tribunal de Justiça de São Paulo. O processo corre em sigilo e cabe recurso da decisão. O réu não poderá apelar em liberdade.

Santa Fé do Sul, com pouco mais de 30 mil habitantes, fica na região de Jales, a 626 quilômetros de São Paulo.

Praça em Santa Fé do Sul. Foto: Prefeitura de Santa Fé do Sul

O júri foi realizado no último dia 29. Segundo a denúncia do Ministério Público, o acusado teria se irritado porque o retrovisor de um veículo conduzido pela vítima, que participava de carreata politica com seu filho, esbarrou em seu braço.

O réu, partidário de grupo político adversário, teria então deixado o local em direção à residência das vítimas, portando uma arma de fogo.

Segundo os autos, o homem efetuou disparos contra o pai e o filho, atingindo fatalmente o primeiro. O filho sobreviveu após dias de internação em estado grave.

O júri reconheceu que os crimes foram praticados por motivo fútil e mediante recurso que impossibilitou a defesa das vítimas.

O juiz Rafael Almeida Moreira de Souza, da 3.ª Vara da Comarca de Santa Fé do Sul que presidiu o julgamento, agravou a pena do homem, por motivo fútil e reincidência, considerando a culpabilidade e a personalidade do réu e as circunstâncias e consequências do crime.

Segundo o magistrado, o acusado ‘agiu com insensibilidade e frieza invulgares, atingindo as vítimas com disparos certeiros na boca, além de ter apontado a arma em direção à esposa do falecido, que trazia seu marido já morto no colo’.

Tudo o que sabemos sobre:

homicídioSão Paulo [estado]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.