Justiça condena homem por cobrar dívida pelo Facebook

Réu postou 'foto parcial' do devedor que alegou ter sofrido 'comentários vexatórios'

Julia Affonso

30 de dezembro de 2015 | 12h03

David W Cerny /Reuters

David W Cerny /Reuters

Um homem foi condenado a pagar indenização por danos morais no valor de R$ 5 mil por ter cobrado uma dívida pelo Facebook. A decisão é da 1ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo, que manteve sentença da 3ª Vara Cível do Foro Regional da Penha de França.

As informações foram divulgadas no site do TJ.

De acordo com o processo, o homem postou uma foto parcial do autor da ação, que permitia a identificação, pois mostrava sua tatuagem. O réu escreveu, ainda, que queria de volta o dinheiro que havia emprestado havia três anos. O autor da ação alegou que tomou conhecimento da cobrança pelo Facebook por pessoas de seu círculo de amizades e que ‘a evolução de comentários vexatórios na foto expôs sua intimidade e de sua família, assim como abalou a moral e a honra por ser conhecido no bairro onde reside há mais de 40 anos’.

O relator do recurso, desembargador Rui Cascaldi, citou trecho da sentença da juíza Cristina Mogioni em seu voto: “A conduta do réu, por óbvio, extrapola os limites da liberdade de expressão consagrada no artigo 5º, inciso IX, da Constituição Federal, haja vista o indiscutível intuito de violar a dignidade do autor. É cediço que o réu, assim como qualquer outro cidadão tem o direito de se expressar livremente, desde que não haja violação da dignidade alheia. Contudo, no caso dos autos, houve o exercício abusivo desse direito, de modo que deverá se responsabilizar civilmente pela conduta vexatória à imagem do autor.”

O julgamento, que ocorreu no último dia 15, teve votação unânime e contou com a participação dos desembargadores Francisco Loureiro e Christine Santini.

Tudo o que sabemos sobre:

TJ-SP

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.