Justiça condena ex-prefeito que doou área pública de R$ 500 mil a ‘amigo de infância’

Justiça condena ex-prefeito que doou área pública de R$ 500 mil a ‘amigo de infância’

Imóvel de 19,6 mil metros quadrados em município do interior Tocantins foi destinado à construção de um posto de combustíveis

Pepita Ortega

14 de outubro de 2019 | 11h52

A BR-153, em Santa Rita do Tocantins. Foto: Google Maps

A Justiça do Tocantins condenou Arthur Caires Maia, ex-prefeito de Santa Rita do Tocantins, por ter doado uma área pública de 19,6 mil metros quadrados, avaliada em R$ 500 mil, a um ‘amigo de infância’. Tanto o ex-gestor como o beneficiário da doação, Milton Silva Chagas, terão de prestar serviços à comunidade ou a entidades públicas por três anos. A pena substitui os três anos de detenção aos quais a dupla foi sentenciada pelo crime de dispensa à licitação.

A decisão foi proferida pelo juiz Alessando Hofmann Teixeira Mendes, da 1ª Vara Criminal de Porto Nacional no dia 9 de setembro, mas a informação foi divulgada pelo Ministério Público Estadual na última quinta, 10. As defesas de Maia e de Chagas já apresentaram ao Tribunal de Justiça do Estado recursos contra a decisão de primeira instância.

Além dos serviços comunitários, o magistrado determinou que Maia e Chagas desembolsem valor referente a três salários mínimos, que será destinado a uma entidade beneficente a ser escolhida pelo juízo da execução penal. Além disso, o ex-prefeito arcará com uma multa de R$ 10 mil, referente a 2% do valor do imóvel doado.

A denúncia contra Maia e Chagas foi apresentada pelo Ministério Público do Estado em abril de 2018. Segundo a acusação, a doação ocorreu em 2014 e é referente a uma área situada nas margens da BR-153 em Santa Rita do Tocantins – município de 2,3 mil habitantes situado a cerca de 145 km de Palmas. O terreno público foi destinado à construção de um posto de combustíveis.

Na sentença, o juiz destacou que para a transferência do bem público, é necessário interesse público justificado, prévia autorização legislativa, avaliação e realização de procedimento licitatório na modalidade concorrência. Segundo o magistrado, a atos de Maia não foram precedidos das formalidades legais e a doação do bem público ‘visou benefício direcionado para a empresa de Milton Chagas’.

Mendes concluiu que Maia ‘beneficiou indevidamente o amigo de infância’, violando os princípios da legalidade, impessoalidade e moralidade e destacou ainda que a doação da área pública gerou ‘evidente prejuízo ao erário da ordem de mais de meio milhão de reais e enriquecimento ilícito’ de Milton e de sua empresa.

“Houve por parte dos acusados, clara intenção de burlar a legislação para dar vazão a empreendimento amparado com base na amizade existente entre os codenunciados, que, em conseqüência, gerou um desfalque na a Administração Pública”, escreveu o magistrado.

Segundo o Ministério Público do Estado, uma outra ação judicial que tramita no âmbito acusa a dupla de improbidade administrativa e busca reverter a doação do imóvel público.

COM A PALAVRA, A DEFESA

A reportagem busca contato com as defesas de Arthur Caires Maia e Milton Silva Chagas. O espaço está aberto para manifestações.

Tudo o que sabemos sobre:

Tocantins Estadoconcorrência pública

Tendências: