Justiça bloqueia R$ 20 mi de alvos da 14ª fase da Lava Jato

Justiça bloqueia R$ 20 mi de alvos da 14ª fase da Lava Jato

Sequestro de ativos atinge 10 dos 12 investigados que tiveram prisão decretada pela Justiça Federal

Redação

19 de junho de 2015 | 18h13

Presidentes da Andrade Gutierrez e da Odebrecht foram presos na Lava Jato. Fotos: Estadão

Presidentes da Andrade Gutierrez e da Odebrecht foram presos na Lava Jato. Fotos: Estadão

Por Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo

A Justiça Federal determinou o bloqueio de R$ 20 milhões dos presidentes e de executivos da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, empreiteiras investigadas pela Operação Lava Jato. O sequestro de ativos mantidos em suas contas correntes havia sido pedido pelo Ministério Público Federal.

“O esquema criminoso em questão gerou ganhos ilícitos às empreiteiras e aos investigados, justificando-se a medida para privá-los do produto de suas atividades criminosas”, afirmou o juiz Sérgio Moro, que conduz as ações da Lava Jato. “Não importa se tais valores, nas contas bancárias, foram misturados com valores de procedência lícita. O sequestro e confisco podem atingir tais ativos até o montante dos ganhos ilícitos. Considerando os valores milionários dos supostos crimes, resolvo decretar o bloqueio das contas de todos os investigados até o montante de vinte milhões de reais.”

marcio-farias-preso-lava-jato--tiago-queiroz-estadao

Márcio Faria também foi preso nesta sexta-feira. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

A decisão abrange os diretores Rogério Santos de Araújo, Mário Faria da Silva, César Ramos Rocha e o presidente Marcelo Bahia Odebrecht, da Odebrechet, os executivos Elton Negrão de Azevedo Júnior, Paulo Roberto Dalmazzo e Antônio Pedro Campelo de Souza e o presidente Otávio Marques de Azevedo, todos da Andrade Gutierrez, o empresário João Antônio Bernardi Filho, que integrava o quadro social da Hayley do Brasil, e o empregado da Petrobrás Celso Araripe de Oliveira.

Executivo da Odebrecht diz que Youssef pediu doação de campanha

Lava Jato questiona Odebrecht sobre cartel e propina

Delator afirma que executivo da Odebrecht sugeriu conta na Suíça

Os bloqueios foram implementados pelo BacenJud, instrumento de comunicação eletrônica entre o Poder Judiciário e instituições financeiras bancárias. Os presidentes e os executivos foram presos nesta sexta-feira, 19, após a deflagração da 14ª fase da Operação Lava Jato.

“Observo que a medida ora determinada apenas gera o bloqueio do saldo do dia constante nas contas ou nos investimentos, não impedindo, portanto, continuidade das atividades das empresas ou entidades, considerando aquelas que eventualmente exerçam atividade econômica real. No caso das pessoas físicas, caso haja bloqueio de valores atinentes à salários, promoverei, mediante requerimento, a liberação”, informou Moro.

COM A PALAVRA, A ODEBRECHT: 

Confira o vídeo da coletiva da advogada da empreiteira nesta sexta-feira:

COM A PALAVRA, A ANDRADE GUTIERREZ

“A Andrade Gutierrez informa que está acompanhando o andamento da 14ª fase da Operação Lava Jato e prestando todo o apoio necessário aos seus executivos nesse momento. A empresa informa ainda que está colaborando com as investigações no intuito de que todos os assuntos em pauta sejam esclarecidos o mais rapidamente possível. Este tem sido, inclusive, o procedimento da companhia desde o início das investigações, atendendo a convocações da Justiça ou comparecendo voluntariamente para apresentar documentos e prestar esclarecimentos, causando estranheza as prisões. A Andrade Gutierrez reitera, como vem fazendo desde o início das investigações, que não tem ou teve qualquer relação com os fatos investigados pela Operação Lava Jato, e espera poder esclarecer todos os questionamentos da Justiça o quanto antes.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: