Justiça bloqueia R$ 18 mi na Operação Pegadores por fraudes na Saúde do Maranhão

Justiça bloqueia R$ 18 mi na Operação Pegadores por fraudes na Saúde do Maranhão

Sequestro alcança bens móveis e imóveis de investigados da quinta fase da Operação Sermão aos Peixes, que mira apadrinhados de políticos, faz buscas até na sede da Secretaria da Saúde do Estado e procura 17 suspeitos; Governo Flávio Dino (PC do B) diz que está colaborando com as investigações

Julia Affonso e Luiz Vassallo

16 Novembro 2017 | 12h35

Foto: Fábio Motta/Estadão

A Justiça Federal decretou o bloqueio de R$ 18 milhões de investigados da Operação Pegadores, quinta fase da Operação Sermão aos Peixes, deflagrada nesta quinta-feira, 16, para investigar desvios de recursos públicos federais por meio de fraudes na contratação e pagamento de pessoal, na execução de contratos de gestão e termos de parceria firmados pelo governo do Maranhão com entidades do terceiro setor.

Segundo os investigadores, as fraudes se prolongaram até 2017. O Governo Flávio Dino (PC do B) informou que a ‘Secretaria de Estado da Saúde está totalmente à disposição para ajudar no total esclarecimento dos fatos’.

Sorveteria virou ‘serviços médicos’ em fraude milionária da saúde no Maranhão, diz PF

PF acha 400 funcionários fantasmas na Saúde do Maranhão

Pegadores é uma ação conjunta da Polícia Federal, Procuradoria, Receita e Controladoria-Geral da União.

A 1.ª Vara Criminal da Justiça Federal do Maranhão autorizou cumprimento de 45 mandados, dos quais 17 de prisão temporária e 28 de busca e apreensão.

RELEMBRE: + Verba da Saúde do Maranhão pagou vinho e restaurante de luxo, diz PF

PF deflagra Rêmora contra desvios na Saúde do Maranhão

+ PF apreende R$ 644 mil em dinheiro vivo e BMW na Operação Rêmora

Desvios na Saúde do Maranhão bancaram até avião de R$ 2,5 mi, aponta PF

Os mandados estão sendo cumpridos nas cidades maranhenses de São Luís, Imperatriz e Amarante, e também em Teresina.

As diligências de busca e apreensão estão sendo cumpridas na sede da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão e na Superintendência de Acompanhamento à Rede de Serviços.

As prisões foram determinadas contra servidores públicos vinculados à Secretaria da Saúde, diretores, tesoureiros e administradores de organizações sociais.

Segundo a PF, também estão sendo procurados empresários vinculados às empresas de fachada supostamente envolvidos no pagamento de propina a servidores públicos.

O montante dos recursos públicos federais desviados por meio das fraudes chega a R$ 18,34 milhões. A PF estima que o dano aos cofres públicos pode ser ainda maior.

O rastreamento de contratos e pagamentos indica que a organização continuou agindo ainda em 2017, mesmo após a deflagração de diversas outras fases da Operação Sermão aos Peixes.

A PF deverá indiciar os investigados da Operação Pegadores, a nova etapa da Sermão aos Peixes, por peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Mais conteúdo sobre:

Polícia FederalMaranhãoCorrupção