Justiça bloqueia até R$ 40 milhões de lobista do PMDB

João Augusto Henriques, alvo da Operação 'Ninguém durma', 19.ª fase da Lava Jato, teria operado propina de US$ 10,8 milhões para o principal partido da base aliada do governo Dilma

Redação

21 de setembro de 2015 | 15h07

pmdb

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Andreza Matais, de Brasília, e Julia Affonso

O juiz federal Sérgio Moro decretou o sequestro de até R$ 40 milhões de João Augusto Rezende Henriques, apontado como lobista do PMDB no esquema de propinas de empreiteiras que se instalou na Petrobrás entre 2004 e 2014. A ordem judicial acolhe pedido do Ministério Público Federal que atribui a Henriques o papel operador de uma propina de US$ 10,8 milhões para o principal partido da base aliada do Governo Dilma Rousseff (PT).

O repasse teria ocorrido em 2009, no âmbito da contratação do navio sonda Titanium Explorer pela Petrobrás. Nessa época, a Diretoria de Internacional da estatal era dirigida por Jorge Luiz Zelada, sucessor de Nestor Cerveró – ambos estão presos em Curitiba, base da missão Lava Jato.

O bloqueio, ordenado no âmbito da Operação ‘Ninguém durma’, 19.º desdobramento da Lava Jato desencadeado nesta segunda-feira, 21, se estende a uma empresa controlada pelo lobista, a Trend Empreendimento. “Viável assim o decreto do bloqueio dos ativos financeiros de João Henriques e a Trend Empreendimentos, pela qual teria sido lavado dinheiro do esquema. Não importa se tais valores, nas contas bancárias, foram misturados com valores de procedência lícita”, assinalou o juiz Moro.

“O sequestro e confisco podem atingir tais ativos até o montante dos ganhos ilícitos.Considerando os valores milionários dos supostos crimes, defiro o requerido e decreto o bloqueio das contas de João Augusto Rezende Henriques e da Trend Empreendimentos até o montante de quarenta milhões de reais.”

Lava Jato avança sobre multinacionais em esquema de corrupção do PMDB na Petrobrás

Novo operador de propinas do PMDB nega relação partidária

Sérgio Moro assinalou que a medida gera o bloqueio do saldo do dia constante nas contas ou nos investimentos, não impedindo continuidade das atividades da empresa. Os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato haviam pedido a prisão preventiva de Henriques sob argumento que ele é ‘profissional dos crimes de lavagem de dinheiro’. Mas o juiz ordenou a prisão temporária por cinco dias.

A temporária pode ser prorrogada por mais cinco dias ou convertida em prisão preventiva – por tempo indeterminado. Sérgio Moro reputou oportuno aguardar o resultado das buscas e apreensões e, inclusive o depoimento do investigado ‘que poderá eventualmente esclarecer motivos lícitos aos repasses recebidos das empreiteiras’.

“Há, afinal, prova relevante de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, bem como que o investigado (Henriques) teria se associado a outros para praticar em série crimes de gravidade”, destacou o juiz da Lava Jato. “A prisão temporária é, nesse período, imprescindível para evitar concertação fraudulenta de versões entre os investigados, bem como para prevenir fraudes documentais e dissipação de provas.”

Lava Jato mira contas secretas de novo operador do PMDB

Zelada teve 15 encontros oficiais com lobista do PMDB, revela agenda

Neste ponto de sua decisão, o juiz argumenta. “Não se trata de perspectiva remota”, anotou. Segundo Moro, na própria Operação Lava Jato foi constatada, nas buscas iniciais, destruição e ocultação de documentos por investigados.

“Os crimes em investigação teriam abrangido a produção de documentos ideologicamente falsos para amparar os recebimentos pela Trend Empreendimentos”, assinala o magistrado.

Ao decretar a prisão temporária de João Henriques, o juiz Moro rechaçou tese recorrente de advogados de alvos da Lava Jato, segundo o quais ele manda prender para forçar delações premiadas. “A medida, por evidente, não tem por objetivo forçar confissões. Querendo, poderá o investigado permanecer em silêncio durante o período da prisão, sem qualquer prejuízo a sua defesa.”

O ponto de partida da investigação sobre João Henriques foi uma reportagem exclusiva da revista Época, que conseguiu uma entrevista com o operador do PMDB. Intimado para depor, ele alegou ao Ministério Público que visitava Jorge Luiz Zelada ‘apenas por amizade’. Reconheceu ser o sócio da Trend e ter prestado ‘serviços de consultoria na área de óleo e gás’.

Mencionou especificamente que foi contratado pela empreiteira Mendes Júnior para acompanhar a construção de duas plataformas de petróleo, a FPSOs 77 e 78. “Apesar das negativas de João Augusto, há provas, de que ele teria intermediado a contratação do naviosonda Titanium Explorer e efetuado o pagamento de propinas.”

A Polícia Federal constatou ‘recorrentes encontros’ entre Henriques e Jorge Luiz Zelada, na Petrobrás – este, nessa época, ocupava o comando da Diretoria de Internacional da Petrobrás.

O juiz Moro comparou o poderio aquisitivo de João Henriques a de outros investigados da Lava Jato e citou o doleiro Alberto Youssef, os pagadores de propinas Mário Goes e Milton Pascowitch, além de um outro lobista do PMDB, Fernando Falcão Soares, o Fernando Baiano. “O recebimento de valores milionários de várias empreiteiras envolvidas no pagamento de propinas Operação Lava Jato indica ainda que o acusado (Henriques) não é, como afirma, um pequeno empresário, mas sim, à semelhança de outros como Alberto Youssef, Mario Goes, Milton Pascowitch, Fernando Soares, um intermediador do pagamento de propinas entre as empreiteiras e os dirigentes da Petrobrás.”

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoPMDB

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.