Justiça aceita recuperação de empresa vetada pela Petrobrás

Citada na Lava Jato, Alumini Engenharia foi proibida pela estatal de participar de novas licitações

Redação

20 de janeiro de 2015 | 19h05

Por Fausto Macedo e Ricardo Brandt

A Justiça deferiu o pedido de recuperação judicial da empresa Alumini Engenharia (antiga Alusa), que mantém contratos com a Petrobrás. A decisão, despachada nesta terça feira, 20, é do juiz Paulo Furtado de Oliveira Filho, da 2.ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais de São Paulo, que acolheu pedido da empresa protocolado no último dia 15.

A Alumini é citada nos autos da Operação Lava Jato, investigação sobre suposto cartel de empreiteiras que se instalou na estatal petrolífera. A Alumini sofre o impacto do bloqueio de sua conta e da falta de pagamento da Petrobrás, que não reconhece aditivos de serviços no valor de R$ 1,2 bilhão.

A Alumini enfrenta dificuldades há algum tempo. A Lava Jato agravou esses problemas, segundo alega a empresa. No dia 31 de dezembro de 2014, a Petrobrás proibiu 23 empresas de participarem de novas licitações da estatal, entre elas a Alumini.

Estão suspensas as ações e execuções contra a Alumini – e também o curso dos respectivos prazos prescricionais. Até o dia 30 de cada mês, a empresa deverá entregar contas demonstrativas.

Para elaborar o plano, que será submetido à aprovação dos credores, a Alumini Engenharia contratou o escritório de consultoria Alvarez & Marsal, especializado nessa área. A assessoria jurídica está a cargo do escritório Leite, Tosto e Barros Advogados.

O plano deverá ficar pronto dentro de 60 dias. Todas as informações a respeito da recuperação judicial da empresa estarão em breve disponíveis no site da Alumini (www.aluminieng.com).

O juiz nomeou como administrador judicial a Deloitte Touche Tohmatsu Consultores que deverá em 48 horas prestar compromisso e informar endereço eletrônico para receber habilitações e divergências. Em quinze dias, a Deloitte deverá apresentar relatório preliminar “das atividades da recuperanda e proposta de remuneração”.

Tudo o que sabemos sobre:

Justiçaoperação Lava JatoPetrobrás