Justiça abre ação contra barbeiro matador de Moa do Katendê

Justiça abre ação contra barbeiro matador de Moa do Katendê

Paulo Sérgio Ferreira de Santana vai ser processado por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima

Clara Rellstab, especial para o Estado

24 de outubro de 2018 | 12h43

Mestre Moa do Katendê foi assassinado a facadas em um bar de Salvador, após manifestar apoio a Fernando Haddad (PT) Foto: Arquivo Pessoal

A Justiça aceitou na segunda-feira, 22, a denúncia do Ministério Público da Bahia e tornou réu o barbeiro Paulo Sérgio Ferreira de Santana, suspeito de matar o mestre de capoeira, Romualdo Rosário da Costa, o Moa do Katendê, de 63 anos.

O juiz Horácio Moraes Pinheiro determinou que Paulo Sérgio responda pelo crime de homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima.

Além disso, por ferir o primo da vítima, Germino do Amor Divino Pereira, que tentou defender o capoeirista das agressões, Paulo Sérgio é acusado de tentativa de homicídio duplamente qualificado.

O caso está na 1.ª Vara do Tribunal do Júri de Salvador. O magistrado determinou a citação do réu para apresentar a sua defesa. Somente após a instrução com oitiva de todas as testemunhas – tanto de acusação quanto de defesa – e interrogatório do réu, será definido se ele vai ou não a júri popular.

Na madrugada após apuração do primeiro turno das eleições 2018, o barbeiro desferiu facadas contra Moa do Katendê em um bar de Salvador após o capoeirista defender seu voto no candidato do PT ao Palácio do Planalto, Fernando Haddad, e criticar o candidato do PSL à Presidência Jair Bolsonaro.

A reportagem está tentando contato com a defesa de Paulo Sérgio. O espaço está aberto para manifestação.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: