Juristas saem em defesa de Barroso e atribuem a Bolsonaro, ‘sementeiro do ódio’, campanha infame contra o TSE

Juristas saem em defesa de Barroso e atribuem a Bolsonaro, ‘sementeiro do ódio’, campanha infame contra o TSE

Instituto Victor Nunes Leal, presidido pelo ex-ministro do Supremo tribunal Federal, divulga manifesto de apoio a Luís Roberto Barroso e repudia ataques do presidente da República à Corte eleitoral 'na tormenta desses tempos delirantes'

Wesley Gonsalves

14 de julho de 2021 | 18h43

O Instituto Victor Nunes Leal (IVNL), entidade civil dedicada ao conhecimento e pesquisa sobre o conhecimento jurídico, publicou nesta quarta-feira, 14, um duro manifesto com críticas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) após o chefe do Poder Executivo atacar o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e o presidente do órgão, o ministro Luís Roberto Barroso. Para entidade, ações de Bolsonaro são “campanha infame” contra o órgão eleitoral e seu presidente.

O ex-ministro do Supremo Sepulveda Pertence em 2006. Foto: Pablo Valadares/Estadão

Na última sexta-feira, 9, sem apresentar provas, Bolsonaro afirmou  que as eleições no País não são confiáveis. Na ocasião, Bolsonaro também agrediu o presidente do TSE chamando o ministro Barroso de “idiota” e “imbecil”. 

Segundo a nota divulgada, o Bolsonaro seria um porta-voz dos “sementeiros do ódio” ao endossar ataques ao ministro Barroso e ao TSE, pondo os “pilares republicanos” em xeque. “Estes pilares republicanos vêm sendo abusivamente colocados à prova por sementeiros do ódio, que têm como porta-voz o próprio Presidente da República, em ataques obstinados ao Tribunal Superior Eleitoral, côrte judiciária que jamais faltou à nação brasileira, investidas estas agravadas pela inserção de incriminações levianas ao seu Presidente”, afirmou.

No documento assinado por membros do IVNL, entre eles o ministro aposentado e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), José Paulo Sepúveda Pertence, o órgão repudiou ataques e reforçou sua confiança no trabalho da Corte. “São estas, em síntese, as razões pelas quais o IVNL repudia as falas esdrúxulas e o comportamento de todos aqueles que propugnam pela concreção do ideário irresponsável, contrário à Democracia, ao tempo em que reafirma sua irrestrita confiança no Tribunal Superior Eleitoral e em seu eminente Presidente”, declarou a entidade. 

Leia nota na íntegra

O Instituto Victor Nunes Leal assiste, estarrecido, a campanha infamante orquestrada pelo Presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, contra o Tribunal Superior Eleitoral e seu Presidente, o ilustre Ministro Luís Roberto Barroso. 

Ao IVNL cabe, por disposição estatutária, “a realização de atividades culturais que contribuam para o aprimoramento das instituições democráticas “, podendo “difundir, divulgar e incentivar o estudo e a contribuição de grandes personalidades do cenário nacional”(Estatuto, art. 2º, inc. 2), devendo, nesse sentido, promover a defesa “da cidadania, da ética, da democracia e da dignidade da pessoa humana” (art. 3º). 

Estes pilares republicanos vêm sendo abusivamente colocados à prova por sementeiros do ódio, que têm como porta-voz o próprio Presidente da República, em ataques obstinados ao Tribunal Superior Eleitoral, côrte judiciária que jamais faltou à nação brasileira, investidas estas agravadas pela inserção de incriminações levianas ao seu Presidente.

Na tormenta desses tempos delirantes, somente um refúgio pode encontrar as instituições e os cidadãos que as integram para não sucumbirem às imprecações da rua, oficializadas pelo Presidente da República: o refúgio de suas virtudes, de equilíbrio, de honradez, de coragem moral, de independência, iluminado pela acuidade do espírito e pelo sentimento de fraternidade, predicados tão bem exercidos pelo Presidente Luís Roberto Barroso, em perfeita harmonia com o legado de nosso patrono, Víctor Nunes Leal. 

São estas, em síntese, as razões pelas quais o IVNL repudia as falas esdrúxulas e o comportamento de todos aqueles que propugnam pela concreção do ideário irresponsável, contrário à Democracia, ao tempo em que reafirma sua irrestrita confiança no Tribunal Superior Eleitoral e em seu eminente Presidente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.