Tribunal do Júri condena fazendeiro a 64 anos de prisão pelo assassinato de três auditores do Trabalho na Chacina de Unaí

Tribunal do Júri condena fazendeiro a 64 anos de prisão pelo assassinato de três auditores do Trabalho na Chacina de Unaí

Antério Mânica pode recorrer em liberdade da sentença que lhe foi imposta nesta sexta-feira, 27, por crime ocorrido em janeiro de 2004; além dos fiscais, foi executado a tiros um motorista do Ministério do Trabalho na zona rural do município mineiro

Redação

27 de maio de 2022 | 22h24

Cartaz com foto dos servidores mortos na chacina de Unaí Foto: Leonardo Augusto/Estadão

O Tribunal do Júri Federal condenou nesta sexta-feira, 27, o ex-prefeito e fazendeiro Antério Mânica pelo assassinato, em janeiro de 2004, de três auditores fiscais e de um motorista do Ministério do Trabalho na chamada Chacina de Unaí, na zona rural da cidade mineira. Mânica pegou 64 anos de prisão, em regime inicial fechado, mas vai poder recorrer da decisão em liberdade.

O julgamento teve início na terça-feira, 24, quatro anos após o Tribunal Regional Federal da 1ª Região anular sentença que impôs ao ex-prefeito 100 anos de prisão.

Antério é acusado pelo Ministério Público Federal de ser mandante do crime, ao lado do irmão Norberto Mânica. Em 2015, eles foram condenados pelo crime de quádruplo homicídio, triplamente qualificado por motivo torpe, mediante paga de recompensa em dinheiro e sem possibilidade de defesa das vítimas.

Em 2018, quando a sentença de Antério foi derrubada, o TRF-1 também decidiu reduzir a pena de Norberto, para 65 anos de prisão. À época, o fazendeiro irmão de Antério confessou, pela primeira vez, sua ligação com o crime.

A chacina aconteceu em 28 de janeiro de 2004 na zona rural de Unaí, Noroeste de Minas. Os auditores fiscais Nelson José da Silva, Eratóstenes de Almeida Gonçalves e João Batista Soares Lage e o motorista Ailton Pereira de Oliveira foram assassinados a tiros dentro de uma caminhonete do ministério, enquanto trabalhavam na região. Segundo a denúncia, o crime foi encomendado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.