‘Julgamento é sobre fatos da denúncia, não sobre a vida pregressa das pessoas’

‘Julgamento é sobre fatos da denúncia, não sobre a vida pregressa das pessoas’

Desembargador do Tribunal da Lava Jato Gebran Neto, relator, começa a ler o relatório sobre a sentença do ex-presidente Lula e de outros seis réus no caso triplex

Ricardo Brandt, enviado especial a Porto Alegre, Julia Affonso, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

24 Janeiro 2018 | 09h02

Julgamento do ex-presidente Lula. Foto: TRF4

O desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), afirmou nesta quarta-feira, 24, no início da sessão que analisa a sentença do ex-presidente Lula e de outros seis réus, em Porto Alegre, que não há julgamento ‘sobre a vida pregressa das pessoas’.

“Acredito que teremos uma manhã e tarde de trabalho bastante intensas, mas teremos condições de fazer um julgamento de fatos. Nós não estamos julgando nem a vida pregressa das pessoas, nem fazendo julgamento que não sejam daqueles fatos que estão dentro da denúncia e dentro do processo”, afirmou Gebran Neto, relator da Lava Jato no Tribunal.

Entenda como vai ser o julgamento de Lula no Tribunal da Lava Jato

Entenda os cenários para Lula após julgamento do Tribunal da Lava Jato

Lula pode ser preso? Especialistas respondem

Triplex foi alvo da Promotoria e do MPF: toda a investigação

Lula deve ser julgado de acordo com a lei e com isonomia

Esta é a 24.ª apelação julgada pela Corte federal contra sentenças da Lava Jato. A condenação de Lula chegou ao Tribunal em 23 de agosto do ano passado.

Quem são os julgadores de Lula

Quem são os procuradores que atuam na 2.ª instância

A sessão começou às 8h30 com a abertura do presidente da 8.ª Turma, desembargador federal Leandro Paulsen. Após a fala, o magistrado Gebran Neto passou a leitura do relatório do processo.

Além de Lula, recorrem da sentença de Moro o ex-presidente da OAS, José Adelmário Pinheiro Filho – condenado a 10 anos e 8 meses de prisão -, o ex-diretor da empreiteira, Agenor Franklin Magalhães Medeiros (6 anos), e o ex-presidente do Instituto Lula Paulo Okamotto, absolvido em primeira instância, mas que requer troca dos fundamentos da sentença.

O Ministério Público Federal recorre da absolvição em primeira instância de três executivos da OAS: Paulo Roberto Valente Gordilho, Roberto Moreira Ferreira e Fábio Hori Yonamine.

A denúncia da força-tarefa da Lava Jato atribuiu a Lula a lavagem de R$ 2,2 milhões. O valor corresponde ao triplex e suas respectivas reformas no condomínio Solaris, no Guarujá, supostamente custeadas pela empreiteira OAS. O processo envolveu o suposto favorecimento da construtora em contratos com a Petrobrás.

Mais conteúdo sobre:

Lulaoperação Lava Jato