Julgamento da chapa Dilma-Temer foi ‘papelão’, diz procurador

Julgamento da chapa Dilma-Temer foi ‘papelão’, diz procurador

Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Lava Jato, defendeu, em São Paulo, 'uma Justiça eleitoral que funcione' e um fundo partidário 'mais limpo'

Julia Affonso, Altamiro Silva Júnior e Marcelo Osakabe

15 Agosto 2017 | 12h11

Carlos Fernando Lima. FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

O procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Operação Lava Jato, classificou nesta terça-feira, 15, como ‘papelão’ o julgamento da chapa Dilma-Temer, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em junho deste ano, a Corte eleitoral rejeitou a cassação da chapa vitoriosa em 2014.

Carlos Fernando participou do Fórum Mitos & Fatos, da rádio Jovem Pan, em São Paulo.

Comissão da reforma política aprova texto que cria fundo eleitoral de R$ 3,6 bi e ‘distritão’

Efetivo maior para a Polícia Federal, defende Moro

‘Essa reforma política não é uma verdadeira reforma’, critica Moro

Não sou e nem serei candidato, afirma Moro

“Nós temos que ter uma Justiça eleitoral que funcione e não uma instituição que no final das contas nos remete ao, desculpe, papelão que foi o julgamento da chapa-Dilma-Temer. Depois disso tudo discutido e resolvido, nós podemos discutir efetivamente como financiar a política no Brasil”, declarou.

A comissão especial da reforma política, na Câmara, aprovou, por 25 votos a 8, o texto apresentado pelo relator, deputado Vicente Cândido (PT-SP), que prevê, entre outras coisas, a criação de um fundo público de R$ 3,6 bilhões para financiamento de campanha.

OUTRAS DO BLOG: + ‘Muito humano e religioso’, diz mãe a Moro sobre o filho preso da Lava Jato

PT na Assembleia de São Paulo dá emprego a acusados por desvios no Museu do Trabalhador

PF abre Anteros contra governador do Rio Grande do Norte

Para Carlos Fernando, ‘não cabe’ ter um fundo deste valor.

“Temos que discutir por que temos esse sistema e como torná-lo mais limpo, mais barato. Não cabe agora nós termos R$ 3,6 bilhões. Nós temos que mudar o sistema proporcional não para o distritão, mas para um sistema que aproxime o eleitor do seu escolhido, um sistema distrital ou distrital misto. Nós temos que diminuir o número de partidos efetivamente”, afirmou.

“Eu creio que a questão de discutir a forma de financiamento político-eleitoral está mal colocada. A questão, na verdade, é por que eles precisam de R$ 3,6 bilhões? Simples, nosso sistema político eleitoral é caríssimo. Nossas eleições são caras, nosso sistema é de muito marketing e pouca substância. Muitos concorrentes e partidos e pouca gente vinculada a um programa político, ideológico, econômico que tenha alguma coerência. Se faz hoje política hoje no Brasil para conseguir dinheiro público, seja diretamente pelos fundos, seja por tempo da televisão que depois é vendido. Isso é um fato.”