Juízes reagem a atentado contra magistrada federal e veem ‘polarização ideológica como causa de acirramento de ânimos’

Juízes reagem a atentado contra magistrada federal e veem ‘polarização ideológica como causa de acirramento de ânimos’

Matheus Carneiro Assunção deu uma facada na juíza federal Louise Filgueiras, na sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região

Luiz Vassallo

03 de outubro de 2019 | 21h47

Tribunal Regional Federal da 3.ª Região. FOTO: CNJ/DIVULGAÇÃO

Em reação à facada do procurador da Fazenda Nacional Matheus Carneiro Assunção na juíza federal Louise Filgueiras, a Associação dos Juízes Federais do Brasil e a Associação dos Juízes Federais de São Paulo afirmaram que os magistrados sofrem de ‘falta de segurança crônica’, e que ‘momento político contribui para acirramento dos ânimos e o desrespeito ás instituições’.

O procurador atingiu a juíza no pescoço, deixando ferimentos leves. Em seguida, foi detido pela Polícia Federal, na sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que fica na Avenida Paulista, em São Paulo.

“A ousadia e a violência do ataque, desferido pelo Procurador da Fazenda Nacional Matheus Carneiro Assunção, trazem à tona grandes preocupações e questões relevantes”, dizem as entidades.

“O momento político em que vivemos, por sua vez, com a interdição do diálogo e a polarização ideológica, contribuem para o acirramento dos ânimos e para o desrespeito crescente às instituições. O Poder Judiciário tem sido objeto de ataques vis, que maculam a sua independência e botam em xeque a sua autoridade. Essa quebra de institucionalidade pode causar consequências nefastas para toda a sociedade, autorizando manifestações de ódio que podem resultar em violência de toda ordem”, afirmam.

A Ajufe e a Ajufesp ainda dizem que ‘não se justifica, em nenhuma hipótese, colocar vidas em risco por motivo de restrições orçamentárias’. “A segurança, a ser garantida por profissionais devidamente treinados, é essencial para o exercício do ofício judicante. A Magistratura carece de um mínimo de tranquilidade para trabalhar em paz”.

LEIA A NOTA:

A Ajufe e Ajufesp vêm a público manifestar sua indignação em face do covarde ataque sofrido pela Juiza Federal Louise Filgueiras, nas dependências do Tribunal Regional Federal da 3a Região.
A ousadia e a violência do ataque, desferido pelo Procurador da Fazenda Nacional Matheus Carneiro Assunção, trazem à tona grandes preocupações e questões relevantes.
A falta de segurança que acomete o ofício dos Magistrados é crônica. Não se justifica, em nenhuma hipótese, colocar vidas em risco por motivo de restrições orçamentárias. A segurança, a ser garantida por profissionais devidamente treinados, é essencial para o exercício do ofício judicante. A Magistratura carece de um mínimo de tranquilidade para trabalhar em paz.
O momento político em que vivemos, por sua vez, com a interdição do diálogo e a polarização ideológica, contribuem para o acirramento dos ânimos e para o desrespeito crescente às instituições. O Poder Judiciário tem sido objeto de ataques vis, que maculam a sua independência e botam em xeque a sua autoridade. Essa quebra de institucionalidade pode causar consequências nefastas para toda a sociedade, autorizando manifestações de ódio que podem resultar em violência de toda ordem.
Manifestamos nossa irrestrita solidariedade à colega e pedimos a apuração rigorosa dos fatos. A Magistratura Federal exige respeito e segurança para exercer com a necessária independência o seu mister constitucional.

Tudo o que sabemos sobre:

TRF [Tribunal Regional Federal]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: