Juíza lista ‘mentiras’ de Azeredo em sentença do mensalão tucano

Juíza lista ‘mentiras’ de Azeredo em sentença do mensalão tucano

Melissa Pinheiro Costa Lage, da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte, aponta que ex-governador de Minas e ex-presidente nacional do PSDB falou mentiras aos investigadores 'em todas as oportunidades que teve'

Mateus Coutinho e Julia Affonso

18 de dezembro de 2015 | 08h42

AZEREDODIDA

O ex-presidente do PSDB, Eduardo Azeredo. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Em dura sentença de 125 páginas na qual condenou o ex-governador de Minas Gerais (1994-1998) e ex-presidente nacional do PSDB, Eduardo Azeredo, a 20 anos e 10 meses de prisão por seu envolvimento no mensalão tucano – esquema desvio de dinheiro de estatais mineiras para a campanha à reeleição de Azeredo ao governo do Estado em 1998 – a juíza da 9ª Vara Criminal de Belo Horizonte Melissa Pinheiro Costa Lage aponta que o tucano mentiu várias vezes em seus depoimentos perante as autoridades.

Documento

Para a magistrada, que se debruçou nos 55 volumes dos autos desde março deste ano, a responsabilidade de Azeredo nos crimes de peculato (desvio de dinheiro) e lavagem ficou comprovada “mesmo que somente após um trabalho extremamente árduo de retirar, das entranhas do processo, o detalhe, a contradição, a mentira”, afirma na sentença. Em entrevista ao Estado nesta sexta-feira, 18, Azeredo acusou a magistrada de “não ler” os argumentos de sua defesa e disse que sua sentença foi uma “compensação política” e que vai recorrer.

[veja_tambem]

Ao longo da investigação do esquema tucano, Azeredo afirmou reiteradas vezes que não tomou conhecimento do esquema de caixa 2 em sua campanha e que não acompanhava de perto as atividades de seu comitê eleitoral devido ao seu trabalho como governador do Estado. Para a juíza, a atitude do tucano ajudou a comprovar que “em todas as oportunidades que teve para se manifestar nos autos, o acusado (Eduardo Azeredo) mentiu, objetivando, de todas as formas, confundir o julgador e se esquivar de sua responsabilidade penal”, assinala a magistrada que, então, elenca várias das mentiras do tucano:

VEJA TRECHOS DOS DEPOIMENTOS DE AZEREDO QUE A JUÍZA UTILIZOU NA SENTENÇA:

depoimentoazeredo1

1 – “Mentiu sobre as relações pessoais que possuía com os demais envolvidos,tentando fazer parecer que eram superficiais”, apontou a juíza em referência a proximidade de Azeredo com os outros investigados que participaram de sua campanha, alguns deles inclusive tendo se licenciado de cargos públicos para atuar na campanha tucana na época.

TRECHO DO DEPOIMENTO DE AZEREDO UTILIZADO NA SENTENÇA:

depoimentoazeredo2

2- “Mentiu ao afirmar que não se envolvia na campanha e de nada sabia sobre questões financeiras, o que restou comprovado por meio das declarações e depoimentos dos colaboradores de campanha, demonstrando, inclusive, que o acusado realizou reuniões com lideranças políticas, conforme declararam as testemunhas Carlos Welth Pimenta de Figueiredo, Ricardo Desotti Costa e Antônio do Valle Ramos. Além disso, o acusado realizou contratações diretas, conforme depoimento da testemunha coordenadores, Otimar Ferreira Bicalho, que afirmou ter recebido ligação telefônica de Eduardo Azeredo solicitando sua participação na campanha como gerente da equipe de pintura, afirmando ainda que Eduardo Brandão de Azeredo devia ter conhecimento das irregularidades, notadamente superfaturamento.”

VEJA O INTERROGATÓRIO DE AZEREDO SOBRE SUA  CAMPANHA USADO NA SENTENÇA: 

depoimentoazeredo4
3- “Mentiu ao afirmar que Claudio Mourão (tesoureiro da campanha de Azeredo em 1998) fora o único responsável por toda a questão financeira da campanha, o que restou esclarecido pelas contradições no próprio interrogatório do acusado e pelos depoimentos das testemunhas referidas anteriormente.”

TRECHO DO DEPOIMENTO DE AZEREDO QUE CITA CLÁUDIO MOURÃO UTILIZADO NA SENTENÇA:

depoimentoazeredo3
4 – “Mentiu sobre a contratação de Duda Mendonça (publicitário que atuou na campanha de Azeredo na época), afirmando ser o único político envolvido na campanha que não sabia dos valores que seriam pagos a ele, o que restou comprovado pelos depoimentos/declarações de depoimentos e de testemunhas, que o contradisseram: Clésio Soares de Andrade (candidato a vice de Azeredo em 1998), Walfrido dos Mares Guia, além dos documentos juntados por Marcos Valério Fernandes de Souza aos autos.”

MAIS UM TRECHO DO INTERROGATÓRIO DE AZEREDO UTILIZADO NA SENTENÇA:

depoimentoazeredo5

5- “Mentiu sobre a participação de Marcos Valérios e a SMP&B na campanha eleitoral à reeleição de 1998, diante das declarações de Clésio Andrade, Marcos Valério, Cláudio Mourão, Denise Landim, Leopoldo José de Oliveira, José Vicente Fonseca e Alezandre Rogério Martins da Silva”.

6 – ” Mentiu sobre os patrocínios determinados pelo Governo do Estado às empresas estatais Copasa, Comig e Bemge, restando claro que foi o acusado Eduardo Azeredo quem os determinou para financiar sua campanha, diante de todas as provas relatadas no item respectivo.

7 – “Mentiu sobre o pagamento das dívidas de Cláudio Mourão e Marcos Valério, sendo que, nesse caso, a mentira foi tão despudorada que prescindível depoimento de testemunha. A análise das próprias declarações do acusado já seria suficiente para demonstrar o tamanho da inverdade.”, afirma a magistrada em referência ao episódio quando Cláudio Mourão procurou Azeredo em 2002 para cobrar uma dívida de R$ 700 mil da campanha de 1998 que acabou sendo quitada por meio de um cheque de Marcos Valério.

TRECHO DA SENTENÇA EM QUE A JUÍZA QUESTIONA O FATO DE AZEREDO SE LEMBRAR EM DETALHES DA CAMPANHA DE 1994 MAS NÃO DA DE 1998:

depoimentoazeredo6

8 – “Enfim, aliados a todos os depoimentos, declarações e documentos que, por si sós, foram capazes de demonstrar o caminho de mentiras em que se enveredou o acusado Eduardo Azeredo, encontram-se as declarações de Clésio Andrade, que afirmou que todas as decisões da campanha eram tomadas por Eduardo Azeredo, Walfrido dos Mares Guia, Cláudio Mourão, Álvaro Azeredo e João Heraldo, as quais, associadas às declarações e depoimentos das testemunhas Nilton Monteiro, Vera Lúcia Mourão e Carlos Henrique Martins Teixeira, são uníssonas em afirmar que o acusado tinha conhecimento de toda trama envolvida em sua campanha eleitoral, tornando-se essa, portanto, a única versão possível e plausível para os fatos dos autos.”, segue a juíza na sentença.

Apesar da dura pena dada pela Justiça de Minas, o PSDB e seus parlamentares seguem afirmando que acreditam na inocência de Azeredo.

COM A PALAVRA, O PSDB:

“A decisão de primeira instância em relação a Eduardo Azeredo surpreendeu a todo o PSDB que conhece a trajetória política e a correção que sempre orientou a vida do ex-senador e ex-governador.

Respeitamos a decisão da Justiça, mas estamos confiantes de que nas instâncias superiores o ex-senador possa apresentar as razões de sua inocência e haja reavaliação da decisão.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.