Juíza diz que Guedes ‘excedeu barbaramente’ limites de ministro ao comparar servidor a ‘parasita’

Juíza diz que Guedes ‘excedeu barbaramente’ limites de ministro ao comparar servidor a ‘parasita’

Leia a decisão que condenou chefe da Economia de Bolsonaro a pagar R$ 50 mil em indenizações a sindicato de policiais da Bahia

Paulo Roberto Netto

19 de setembro de 2020 | 07h00

A juíza Cláudia da Costa Tourinho Scarpa, da 4ª Vara Federal Cível da Bahia, afirmou que o ministro da Economia Paulo Guedes ‘excedeu barbaramente’ os limites impostos à sua condição de ministro ao comparar servidores públicos a ‘parasitas’.

A declaração foi feita em fevereiro deste ano em evento da Fundação Getúlio Vargas quando o ministro discutia a necessidade de uma reforma administrativa no funcionalismo público.

“O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo. O hospedeiro está morrendo. O cara (funcionário público) virou um parasita e o dinheiro não está chegando no povo”, disse. O ministro foi aplaudido pelos presentes.

De acordo com a juíza Cláudia Scarpa, contudo, Guedes ‘insultou’ os servidores públicos ao pedir que eles ‘não assaltem o Brasil’ e que o grupo ficasse em casa ‘com geladeira cheia’.

“O exercício do direito à liberdade de expressão do réu Paulo Guedes excedeu barbaramente os limites impostos pela finalidade econômica e social de um pronunciamento de ministro de Estado, pois atacou – despropositadamente – a categoria dos servidores públicos”, afirmou a magistrada.

O ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Gabriela Biló / Estadão

A juíza pontuou ainda que o ministro ‘violou a honra e a imagem’ dos servidores ao utilizar de ‘eufemismos’ para rotulá-los de ‘parasitas, assaltantes e preguiçosos’.

“Tais manifestações do réu excederam os limites estabelecidos pelos bons costumes, pois não se espera que um ministro de Estado ofenda os próprios agentes estatais”, apontou.

Procurada pelo Estadão, a Advocacia-Geral da União informou que irá recorrer da decisão.

Em nota, o presidente do Sindipol-BA, José Mário Lima, avaliou que a justiça foi feita.

“Qualquer cidadão independentemente da sua estatura de poder ou financeira, tem que ter a devida reprimenda quando está errado. A lei é para todos”, afirmou. A entidade pretende doar a indenização ao Hospital Santo Antônio, que pertence às Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), e ao Hospital Aristides Maltez.

Tudo o que sabemos sobre:

JustiçaPaulo Guedes

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.