Juíza aponta ‘forte clamor público’, põe Dr. Jairinho e Monique no banco dos réus por homicídio de Henry e decreta prisão preventiva do casal

Juíza aponta ‘forte clamor público’, põe Dr. Jairinho e Monique no banco dos réus por homicídio de Henry e decreta prisão preventiva do casal

Ao verificar a presença de requisitos para a decretação da preventiva do casal, Elizabeth Machado Louro, da 2ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, apontou 'risco à ordem pública' e ponderou que a medida também seria 'forma de aplacar a nefasta sensação de impunidade'

Pepita Ortega

07 de maio de 2021 | 14h43

Henry Borel. FOTO: INSTAGRAM/REPRODUÇÃO

A juíza Elizabeth Machado Louro, da 2ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, recebeu a denúncia contra o vereador o Dr. Jairinho e a professora Monique Medeiros pelo homicídio triplamente qualificado do menino Henry Borel, de quatro anos.

A magistrada ainda acolheu pedido do Ministério Público do Rio e decretou a prisão preventiva da dupla que também foi acusada dos crimes de tortura, fraude processual e coação no curso do processo.

A decisão de colocar Jairinho e Monique no banco dos réus foi dada no mesmo dia em que a Promotoria apresentou a denúncia à Justiça fluminense. No despacho, Elizabeth apontou que o caso gerou ‘forte clamor público, que beirou o furor popular’.

Além disso, ao verificar a presença de requisitos para a decretação da preventiva do casal, a magistrada apontou ‘risco à ordem pública’, ponderando que a medida também seria ‘forma de aplacar a nefasta sensação de impunidade’.

A juíza deu dez dias para que os acusados respondam às acusações da promotoria fluminense.

Na denúncia, o promotor Marcos Kac chegou a registrar que Henry era submetido a ‘intensos sofrimentos físicos e mentais como forma de castigo pessoal e medida de caráter preventivo com agressões físicas perpetradas’ por Jairinho.

A mãe do menino, Monique, responde ainda pelo crime de falsidade ideológica, em razão de ter prestado declaração falsa no Hospital Real D’Or, em Bangu, em 13 de fevereiro – ‘data de um episódio de tortura anterior ao dia da morte de Henry’, segundo o MP fluminense.

COM A PALAVRA AS DEFESAS

A reportagem busca contato com os advogados de Dr. Jairinho e Monique. O espaço está aberto para manifestações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.