Juíza afirma que máfia do ISS transformou ‘ambiente público numa praça de malfeitos’

Juíza afirma que máfia do ISS transformou ‘ambiente público numa praça de malfeitos’

Luciana Jabur Mouchaloite Figueiredo, da 21ª Vara Criminal de São Paulo, sentenciou o ex-subsecretário de Finanças de São Paulo Ronílson Bezerra Rodrigues e outros seis

Luiz Vassallo, Luiz Fernando Toledo, Fausto Macedo e Julia Affonso

06 Junho 2018 | 13h10

Reprodução

Ao condenar o ex-subsecretário de Finanças de São Paulo Ronílson Bezerra Rodrigues e outros seis, a juíza Luciana Jabur Mouchaloite Figueiredo, da 21ª Vara Criminal de São Paulo, afirmou que a Máfia do ISS transformou ‘ambiente público numa praça de malfeitos’.

Documento

Acusado de ser o suposto líder da quadrilha, Ronílson pegou 60 anos de prisão e foi sentenciado à perda de bens a no valor de R$ 3,44 milhões.

Para a magistrada, Ronílson demonstrou ‘personalidade desvirtuada, manipuladora e calculista, desprovida de freios morais, com grave ruptura de caráter e crença na impunidade’. “Explicitou desmedida ganância e desejo de fácil enriquecimento, indiferente à elevada reprovabilidade moral e social das condutas criminosas”.

“Em clara deformação de caráter, o réu e os agrupamentos criminosos das duas fases da denúncia transformaram o ambiente público numa praça de malfeitos, acuando contribuintes através da manipulação da estrutura de serviço e da técnica, de que tinham profundo conhecimento, apostando que não seriam alcançados pelo braço desse mesmo Estado traído, que lhes dava o ganha-pão”, diz a juíza.

Também foram condenados os ex-fiscais Luís Alexandre Cardoso Magalhães (43 anos, 1 mês e 15 dias e perdimento de R$3.437.872,25), Eduardo Horle Barcellos (27 anos, 2 meses e 9 dias de reclusão e perdimento de R$1.355.510,94), Carlos Augusto Di Lallo Leite do Amaral (28 anos, 9 meses e um dia e perdimento de R$2.140.710,94), Amílcar Cançado Lemos (24 anos e 7 meses e perdimento de R$164.451,43), William Deiró (dois anos, 9 meses e 10 dias e perdimento de R$750.000,00) e Henrique Manhães Alves (6 anos e 9 meses e perdimento de R$102.700,00).

Mais conteúdo sobre:

Máfia do ISS